Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

O imbroglio OAB-PA & PM-PA

O tumulto na 16ª Seccional de Polícia Civil de Santarém entre a guarnição da PM e advogados, ontem, é revelador do corporativismo e da fogueira das vaidades, em detrimento da aplicação da Justiça. Em vídeo do Blog do JK, que reproduzo aqui, dá para ver claramente que o PM tenta impedir advogados de se retirarem da delegacia, inclusive empurrando o presidente da OAB-Santarém, Ubirajara Bentes de Souza Filho. Por outro lado, é possível observar o exagero de Birinha, ao gritar que a PM poderá matá-lo e ao seu cliente. Afinal, nem de longe a situação sugeria essa possibilidade. 

Logo o presidente da OAB-PA, Alberto Campos, postou vídeo nas redes sociais cobrando providências do secretário de Estado de Segurança Pública, divulgou nota de repúdio e embarcou hoje cedo para Santarém. Também exigiu medidas da Polícia Civil – embora ninguém ignore que os militares têm ordenamento próprio e respondem a Inquérito Policial Militar – e até a prisão dos envolvidos. 

Por sua vez, a Polícia Militar do Pará esclareceu que ontem de manhã uma guarnição do Grupamento Tático Operacional prendeu em flagrante Janderson Azevedo de Aguiar e Walafy Guilherme Bahia por roubo de celulares de duas mulheres na avenida Altamira, em Santarém. A dupla é reincidente em vários crimes, entre os quais o roubo de uma motocicleta, já adulterada, que vinha sendo utilizada em assaltos. Com ambos foram encontrados ainda mais dois celulares, roubados. No momento da apresentação ao delegado, o advogado Cleber Rafael Costa Machado, sem apresentar identidade, desacatou os militares, tentando liberar os acusados sem que fosse lavrado o TCO. Segundo os relatos dos PMs em BO, além de obstruir o trabalho policial, Cleber Rafael empurrou e deu um tapa no braço de um integrante do GTO, além de colocar o braço no peito do militar, e acabou por rasgar um dos coletes. 

Enfim, o que se viu foi um grupo de advogados querendo impedir que dois bandidos fossem autuados em flagrante, alardeando prerrogativas feridas, o que se nota ao primeiro olhar não ser o caso. Por sua vez, o PM não poderia jamais ter tentado impedir o livre deslocamento do advogado e muito menos empurrá-lo. Ou seja: houve excessos de ambas as partes, e tudo poderia ter sido evitado se não faltasse bom senso.

Nesse episódio, bastava o advogado acompanhar os seus clientes, assistindo-os em tudo e impetrando para isso o remédio legal. E a PM respeitar a advocacia, deixando para trás, nos porões da História, a truculência. A população precisa confiar nas polícias, inclusive para dar o necessário apoio e contribuição. E a OAB tem que lutar pela Justiça, para todos, em defesa da sociedade, e não só de seus membros. Digo isso com toda tranquilidade, porque sou advogada e entendo que a missão de todos nós é muito maior.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *