Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

O horror da pedofilia

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, as juízas Odete Carvalho – titular da 2ª Vara da Infância e Juventude – e Maria das Graças Alfaia Fonseca – da Vara de Crimes Contra Crianças e Adolescentes de Belém, promotores de Justiça, defensores públicos e representantes da Comissão de Direitos Humanos da OAB/PA ouviram dezenas de mães cujos filhos foram vítimas de pedofilia, em audiência pública na Assembléia Legislativa, promovida pela Câmara de Deputados.

Nos relatos emocionados, as mães denunciaram que sofrem constante constrangimento e graves ameaças pelos abusadores, a maioria respondendo ao processo ou recorrendo de sentença condenatória em liberdade.  
A irmã Henriqueta Cavalcante, da Comissão de Justiça e Paz da CNBB, que atende familiares de vítimas, denunciou ter sido ameaçada de morte por sua atuação de combate aos abusos e exploração sexual infanto-juvenil. E mostrou uma relação com cerca de trinta casos que acompanha em todo o Estado.
O volume de processos que estão sob a Vara da juíza Graça Alfaia dá uma ideia da monstruosidade que acontece todos os dias: somam mil e quinhentos, dos quais 526 são relacionados a crimes de natureza sexual, só os cometidos em Belém. Sem falar que a maioria sequer é denunciada.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *