Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

O feminicídio e a impunidade

Uma em cada três mulheres no mundo já sofreu violência física ou sexual, cerca de 120 milhões de meninas já foram submetidas a sexo forçado e 133 milhões de mulheres e meninas sofreram mutilação genital, segundo dados da Organização das Nações Unidas. O dia 25 de novembro foi declarado Dia Internacional da Não-Violência contra a Mulher, no Primeiro Encontro Feminista da América Latina e Caribe, em Bogotá, em 1981, como justa homenagem a “Las Mariposas”, codinome das irmãs Mirabal, heroínas da República Dominicana brutalmente assassinadas em 25 de novembro de 1960. Minerva, Pátria e Maria Tereza ousaram se opor à ditadura de Rafael Leônidas Trujillo, uma das mais violentas da América Latina. Por isso, foram perseguidas e presas juntamente com seus maridos. Como provocaram grande comoção popular enquanto estavam presas, o ditador as libertou, para em seguida simular um acidente automobilístico matando-as quando iam visitar seus maridos no cárcere. Seus corpos foram encontrados no fundo de um precipício, estranguladas e com ossos quebrados. O fato escandalizou e comoveu o mundo. Suas idéias, porém, não morreram. Seis meses mais tarde, em 30 de maio de 1961, Trujillo foi assassinado e com ele caiu a ditadura. A memória de Pátria, Minerva e Maria Tereza se converteu em símbolo de dignidade.
Em 1999, a Assembléia Geral da ONU proclamou a data como o ”Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra a Mulher” a fim de estimular que governos e sociedade civil organizada realizem eventos anuais como necessidade de extinguir a violência que destrói a vida de mulheres, um dos grandes desafios na área dos direitos humanos. 

A violência contra a mulher é problema mundial que não distingue cor, classe social nem raça: é maléfica, absurda e injustificável. É uma data que tem sido importante para colocar na pauta dos meios de comunicação o feminicídio e denunciar o aumento do número de casos de mortes de mulheres por razões de gênero, chamar a atenção sobre índices e ausência de registros confiáveis; estimular a informação e atuar contra a impunidade. 

A violência contra as mulheres é uma questão social e de saúde pública, pois revela formas cruéis e perversas de discriminação de gênero; desrespeita a cidadania e os direitos humanos; destrói sonhos e viola a dignidade.
Tem se mostrado como expressão mais clara da desigualdade social, racial e de poder entre homens e mulheres, tornando visível a opressão social, que se materializa nas marcas físicas e psicológicas. 

Hoje é um dia importante para manifestar, lembrar, protestar e mobilizar a sociedade e o Estado contra a violência à mulher.
Esta luta é de todos que se comprometem pela defesa dos Direitos Humanos. 

Em Belém, a Polícia Civil promoveu palestras para servidores públicos sobre o combate à violência contra a mulher. A delegada Simone Edoron, titular da Diretoria de Atendimento a Grupos Vulneráveis, explicou que o foco principal foi orientar os homens que atuam como agentes públicos sobre o atendimento prestado às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar nas unidades em que atuam. A delegada Alessandra Jorge, diretora da Divisão Especializada no Atendimento à Mulher, ministrou palestra com o tema “A segurança pública no laço branco – homens pelo fim da violência contra a mulher: o agente consciente e protetor”. Ela tratou da qualificação dos agentes públicos para prestar atendimento humanizado às mulheres que buscam ajuda em casos de violência doméstica e familiar. Desde 2011, ano de criação do Pro Paz Integrado, até novembro deste ano, o programa já atendeu 21.374 mulheres, crianças e adolescentes em situação de violência em todo o Estado.  

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *