Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

O exemplo de vida e cultura dos Zo’é

A imagem do jovem indígena Tawy Zoé, que carregou o pai, Wahu Zoé, por seis horas dentro da floresta, atravessando morros, igarapés e incontáveis obstáculos até o ponto de vacinação contra a Covid, e de lá pôs o pai nas costas novamente e andou por mais seis horas até sua aldeia viralizou na internet e mostrou ao mundo uma lição de sabedoria ancestral. A foto é do neurocirurgião santareno Erik Jennings Simões, que, a pedido dos indígenas e da Funai, se tornou, em caráter voluntário, o coordenador de saúde do povo Zo´é há quase duas décadas e atesta: em quase dois anos de duração da pandemia, nenhum Zo’é foi contaminado pelo novo coronavírus. O desafio de prestar assistência sem destruir a cultura e a autonomia desse povo impôs a estratégia de atender na própria floresta, evitando o preconceito na cidade e epidemias.

O emblemático exemplo remete à lenda, de tempos imemoriais, que conta uma história de amor entre dois indígenas. Ele, Uiná, da etnia Taulipang; ela, Acami, cunhã Macuxi. Casaram e viveram muito felizes. Nunca se separavam: se ele ia pescar, roçar ou caçar, ela ia também; se ela ia se banhar, ele ia junto. Mas Acami ficou doente e não mais pôde andar. Uiná, então, armou uma tipóia em seus ombros fortes e assim a carregava consigo para toda parte. Um dia, sentiu que o precioso fardo pesava demasiadamente. Ela tinha falecido. Abriu uma grande cova à beira de um igarapé e se enterrou com o seu amor de toda a vida. Após nove luas, naquele local brotou uma linda, diferente e graciosa planta de folhas na cor verde escuro brilhante, trazendo em seu centro matizes de coloração amarelada ou cor-de-rosa, e no verso de algumas destas folhas uma menor, com o interior avermelhado. Os parentes do casal, ao descobrirem a misteriosa planta, logo compreenderam que ali se manifestara o grande milagre de transformação e continuidade do amor e da vida. Tamba-Tajá! Foi o nome imediatamente intuído por todos, e assim se eternizou, e o seu cultivo e utilização como amuleto vivo do amor se espalhou por toda a Amazônia.

O médico Erik Jennings tem renome internacional e poderia atuar nos melhores hospitais do planeta, mas escolheu morar e trabalhar em Santarém e enfrentar barreiras geográficas e carências de todo tipo para cuidar da saúde dos amazônidas. A floresta impõe grandes desafios à medicina, entre eles a diversidade cultural de seus povos. Erik aprendeu a falar tupi guarani e até a pilotar aviões pequenos, para driblar as dificuldades de acesso. São 290 Km de Santarém até a terra Zo´é, trajeto cumprido em uma hora e quinze de voo, só de ida.

Em seu livro “Paradô: Histórias Vividas por um Neurocirurgião da Amazônia”, Erik Jennings relata sua vivência e reflexões sobre a medicina e a vida na Amazônia. Quando começou a trabalhar na região, em 1999, era o único neurocirurgião para 950 mil pessoas. Hoje a proporção é de um para cada 300 mil e Erik forma neurocirurgiões no programa de residência médica oferecido pelo Hospital Regional do Baixo Amazonas, na esperança de contribuir para que seja alcançada a média recomendada, de um especialista para cada 100 mil habitantes.

Um de seus relatos emocionantes é de um resgate em Oriximiná. O aeroporto não tinha iluminação para pouso à noite. Para salvar a vida de uma pessoa gravemente doente, todo mundo que tinha carro na cidade foi iluminar a pista com os faróis e pisca-alerta ligados, enfileirados. Até hoje, aliás, a maioria dos aeródromos do Pará não tem balizamento noturno. Se alguém precisa ser removido à noite, não há condições de pouso de aeronave. A maioria dos municípios também não tem hospital equipado para exames e cirurgias e nem remédios e especialistas suficientes. O serviço de resgate da Sespa é executado por empresa terceirizada ou pelo Grupamento Aéreo da Segup, que nem sempre conseguem chegar a localidades mais distantes, por falta de autonomia de voo. Uma alternativa seria o uso de hidroaviões, e legalizar pistas clandestinas em pequenas vilas e cidades.

Ribeirinhos remam por horas e até dias para levar um paciente ao hospital mais próximo. Situações assim são corriqueiras. As pessoas morrem por coisas banais, como picadas de cobra e quedas de árvores. O abandono secular da população é agravado pelo desmatamento e garimpos ilegais, além de barragens hidrelétricas, entre tantas violências sofridas.

A história de como o médico Erik Jennings se tornou protetor dos Zo’é é impactante, contada por ele em seu livro. Em meio a uma tempestade, uma árvore enorme desabou e tombou sobre a pequena maloca onde vivia Kusi, 56 anos, e seus dois filhos, Apãn e Namihit.  Apãn morreu na hora e Kusi, gravemente ferida, com afundamento no crânio, precisou ser levada para a cidade acompanhada de Namihit, 18 anos. Os dois nunca tinham saído da floresta e não falavam uma palavra em português. Antes do pouso em Santarém, Erik e sua equipe vestiram uma bata em Kusi, e vestiram e calçaram Namihit. Após uma longa cirurgia, a paciente foi levada a uma enfermaria, onde viu Fátima, também operada na cabeça, e Namihit quis saber se uma árvore caíra na cabeça dela. Mas Fátima fora ferida com um facão por seu próprio marido, explicou o médico. O jovem indígena ficou indignado e nunca mais foi o mesmo após o contato com uma das grandes doenças do homem branco: a violência. Erik sabia que para um Zo’é o ambiente quente e barulhento do hospital, a comida estranha, a ausência da família e da terra são traumáticos, além do sofrimento psicológico. Operou num dia e no outro levou Kusi e seu filho de volta à aldeia, onde teriam junto de si os parentes, falando a mesma língua.

A população Zo’é está estimada em 310 pessoas organizadas em 19 malocas, e a Frente Cuminapanema – unidade da Coordenação Geral de Índios Isolados e de Recente Contato da Funai é responsável pela assistência à etnia. A Terra Zo’é tem 6,86 mil quilômetros quadrados e está regularizada desde 2009. Eles vivem exclusivamente de suas terras e mantêm autonomia cultural e socioeconômica. São seminômades e caçam com arco e flecha. A maior parte não usa vestimenta, mantém a própria língua e desconhece a dieta do branco, não ingerindo sal ou açúcar, o que lhes proporciona boa saúde, sem diabetes, alto índice de colesterol, anemia e nem obesidade mórbida.

Na década de 80, missionários levaram doenças que mataram metade da etnia. Por conta disso, a primeira providência é vacinar. Eles aceitam bem, não há resistência, conta o médico, que foi vacinado contra a Covid por um Zo’é. Raciocinando que se os indígenas tiverem que se deslocar para receber vacinas e medicação terão que andar dias na floresta sem caçar e sem comer, o que resultará em desnutrição, o médico ajudou a construir um pequeno hospital no território, com materiais da floresta.

Para Erik, não existe oposição entre ciência médica e conhecimento tradicional. A pedido do Alto Comissariado das Nações Unidas para Direitos Humanos (ACNUDH), o médico contribuiu para a elaboração de um protocolo de saúde aplicado a povos isolados e de recente contato na América do Sul. Publicado em 2012, o documento – Directrices de protección para los pueblos indígenas en aislamiento y en contacto inicial – reúne contribuições também de representantes da Bolívia, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru e Venezuela. Em 2018, as diretrizes da ONU foram incorporadas à legislação brasileira por meio de uma portaria conjunta dos Ministérios da Saúde e da Justiça.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *