Lançamentos literários, apresentações de teatro, oficinas voltadas para as culturas pop e japonesa, arrecadação de livros, atividades pedagógicas e lúdicas direcionadas ao público infantil, entre outras ações, estão no cardápio de cultura e arte servido aos visitantes do estande da…

O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

O desafio de vencer a violência

Tramita na Alepa o projeto de lei nº 56/2016, que institui o Dia Estadual de Mobilização pelo fim da violência contra a mulher. A autoria é do deputado Miro Sanova, líder do PDT. A proposição já tem parecer favorável da Comissão de Constituição e Justiça e segue para votação em plenário.

A violência contra mulheres e meninas é uma grave violação dos direitos humanos. Gera consequências físicas, psicológicas e mentais para mulheres e meninas, incluindo a morte, afeta negativamente o bem-estar geral delas e impede-as de participar plenamente na sociedade. A violência tem consequências funestas também para as famílias, para a comunidade e para o país em geral. Os enormes custos vão desde gastos com saúde e despesas legais a perdas de produtividade, impactando os orçamentos nacionais e o desenvolvimento global. 

Décadas de mobilização da sociedade e dos movimentos de mulheres não conseguiram ainda o fim da violência de gênero. A maioria absoluta dos países tem leis contra a violência doméstica, agressão sexual e outras formas. Desgraçadamente, os desafios persistem na implementação dessas leis, limitando o acesso de mulheres e meninas à segurança e justiça. Em geral, não há iniciativas eficazes de prevenção da violência contra a mulher e, quando ocorre, muitas vezes os culpados permanecem impunes ou são condenados a penas brandas. Este é um tema que merece a reflexão e a participação de todos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *