Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

O caso Aldo Moro

Há 101 anos nascia o jurista, professor e político italiano Aldo Moro. Foi professor de Direito Penal na Universidade de Bari, presidente do Conselho Nacional da Democracia Cristã, ministro da Justiça, de Relações Exteriores e da Instrução, e por cinco vezes presidente do Conselho de Ministros na Itália. Participou dos governos democrata-cristãos até 1976, quando  Giulio Andreotti virou primeiro ministro.

Aldo Moro foi o responsável pelo acordo parlamentar entre o Partido Comunista e o Democrata-Cristão, a fim de encerrar a grave crise governamental pela qual passava o país. A OTAN, a então União Soviética, facções dos democratas-cristãos, extremistas de esquerda e de direita se opunham ao chamado “Compromisso histórico”, combatido por Andreotti, pelo Vaticano, pela Máfia e pelos EUA. Há 40 anos, em 16 de março de 1978, cinco dias após a conclusão do acordo, Moro foi sequestrado em Roma pela organização terrorista “Brigadas Vermelhas” e os cinco homens da sua escolta mortos a tiros. 

Em 24 de abril, o Brigate Rosse exigiu a libertação de 13 de seus membros presos em Turim, em troca da vida de Moro. O governo italiano se recusou a negociar.
Em 7 de maio, Moro escreveu uma carta de despedida à sua mulher: “Eles disseram que vão me matar daqui a pouco. Beijo-a pela última vez.”
Dois dias depois, seu corpo – com 11 tiros – foi encontrado na Via Caetani, a 300 metros da sede central dos democratas-cristãos e a 200 metros da sede do Partido Comunista, no porta-malas do mesmo carro do qual fora raptado. 

Cliquem aqui neste link para assistir a uma série de documentários sobre o caso.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *