Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

O carma de Duciomar

O ex-prefeito Duciomar Costa lesou os cofres de Belém do Pará em centenas de milhões de reais. Por falta de atendimento médico em sua gestão calamitosa, centenas de pessoas morreram e milhares de famílias sofrem até hoje consequências funestas, em todas as áreas. Hoje, Duciomar está em cadeira de rodas, vítima de esclerose lateral amiotrófica(ELA), doença neurodegenerativa e fatal, provocada pela degeneração progressiva no primeiro neurônio motor superior no cérebro e no segundo neurônio motor inferior na medula espinhal. É relativamente rara (são registrados um ou dois casos em cada cem mil pessoas por ano, no mundo), e acomete mais os homens do que as mulheres, a partir dos 45/50 anos. Apesar das limitações progressivas impostas pela evolução da doença, o paciente preserva a capacidade intelectual e cognitiva.

O principal sintoma é a fraqueza muscular, acompanhada de endurecimento dos músculos (esclerose), inicialmente num dos lados do corpo (lateral) e atrofia muscular (amiotrófica), mas existem outros: cãibras, tremor muscular, reflexos vivos, espasmos e perda da sensibilidade. O tratamento é multidisciplinar, sob a supervisão de um médico e requer acompanhamento de fonoaudiólogos, fisioterapeutas e nutricionistas. 

Os experimentos em curso com animais apontam a terapia gênica como forma não só de retardar a evolução, como possibilidade de reverter o quadro. Em alguns casos, a pessoa vive muitos anos e bem. Recentemente, foi aprovado pelo Food and Drug Administration (FDA), agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, um novo medicamento, com efeitos colaterais como reações alérgicas, cefaleia, lesões na pele e problemas respiratórios, por exemplo. No Brasil, esse remédio não está disponível e seu preço será ser outro efeito adverso para os brasileiros.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *