A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

O Caminho de Pedras

Raquel de Queiroz, se estivesse ainda neste plano, completaria 112 voltas ao redor do sol hoje. A escritora, jornalista e dramaturga cearense, que viveu em Belém e no Rio de Janeiro quando era criança, fez história ao ser a primeira mulher imortal da Academia Brasileira de Letras, em 1977, e também a primeira a ser agraciada com o Prêmio Camões, em reconhecimento da importância do conjunto de sua obra para a língua portuguesa, em 1993. Foi consagrada pela crítica e premiada já por seu primeiro romance publicado, O Quinze, quando tinha apenas dezenove anos. Ao longo de sua vida, recebeu o título de Doutor Honoris Causa da Universidade Federal do Ceará, da Universidade Estadual do Ceará, da Universidade Estadual Vale do Aracaú e da Universidade Estadual do Rio de Janeiro.

Em 1937 foi presa durante três meses por causa de sua militância pelo Partido Comunista e, no mesmo ano, lançou O Caminho de Pedras que realça a participação feminina na vida pública. Queiroz também integrou o quadro de sócios efetivos da Academia Cearense de Letras, foi delegada do Brasil na Comissão dos Direitos do Homem na 21ª Sessão da Assembleia Geral da ONU, em 1966, foi membro do Conselho Estadual de Cultura do Ceará e do Conselho Federal de Cultura, na totalidade da existência deste, de 1967 a 1989. Admitia, publicamente, preferir a profissão de jornalista do que a de escritora literária e para a pergunta do porquê continuar a escrever literatura, respondeu: “Você já ficou grávida? Quando se fica grávida é imperativo parir”.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *