Membro da Academia Brasileira de Ciências Contábeis (Abracicon), a professora doutora Leila Márcia Elias participou recentemente do Congresso Internacional de Contabilidade da Universidade de São Paulo. Como parte da programação do Núcleo de Contabilidade e Meio Ambiente da USP, que…

Shäron Moalem, médico que ficou conhecido mundialmente por prever no começo da pandemia da Covid-19 que mais homens morreriam vítimas do vírus do que mulheres, diz que o sexo feminino é mais forte que o masculino quanto à sobrevivência, assim…

No período de 10 a 28 de agosto, o navio-hospital-escola Abaré começa nova expedição, oferecendo a 75 comunidades do rio Tapajós nos municípios de Santarém, Aveiro e Belterra serviços de atenção básica à saúde: consultas médicas, odontológicas e de enfermagem,…

O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil ativou nesta quarta-feira (4), o Grupo de Embarcações de Operações Ribeirinhas do Norte uma nova Organização Militar em Belém (PA), com propósito de contribuir para a aplicação do Poder Naval na área…

Novo título sobre a censura no Pará pós 64

Amanhã, Dia Nacional do Livro, o  jornalista, professor e pesquisador Paulo Roberto Ferreira lança “A Censura no Pará – A mordaça a partir de 1964″, fruto de anos de pesquisa em jornais da época, depoimentos e dezenas de entrevistas inéditas com pessoas que viveram e vivem as tensões provocadas pelo cerceamento da liberdade de expressão, nas áreas da educação, das artes e da comunicação. O próprio autor – que depôs perante a Comissão da Verdade, Memória e Justiça dos Jornalistas do Pará – sentiu na carne  a perseguição aos que não comungavam o ideal da ditadura militar. Chegou a perder seu emprego na Caixa Econômica Federal e teve seu nome relacionado pelo SNI como “subversivo”, o que lhe causou muitos transtornos. Paulo também foi personagem da tristemente célebre invasão, pelas polícias militar e federal, da gráfica Suyá, da SDDH (Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos), que editava o jornal “Resistência”, ícone de uma época em que poucos se atreviam a escrever sobre a realidade nua e crua.

A noite de autógrafos será na livraria Fox Belém (Trav. Dr. Moraes, 584 – Batista Campos), a partir das 18h. A obra, com 200 páginas, está dividida em sete partes e o projeto gráfico é do jornalista e publicitário Sérgio Bastos. O autor mostra as restrições ao teatro, à música, à literatura e ao cinema, antes e durante os anos de chumbo, reconstitui o cenário da imprensa e desvenda os posicionamentos políticos que orientavam a atuação da mídia. 

Paulo Roberto tem 40 anos de jornalismo e é coautor do livro O homem que tentou domar o Amazonas, biografia do cientista Felisberto Camargo. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *