O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

Novo filhote de pavãozinho-do-Pará no Mangal das Garças

FOTO: EVERALDO NASCIMENTO
Vejam que lindo: nasceu mais um filhote de pavãozinho-do-Pará (Eurypyga helias) no parque do Mangal das Garças, em Belém, que agora tem sete aves da espécie: três fêmeas e dois machos adultos, e mais dois filhotes. A importância do fato: Em 2013 nasceu o primeiro filhote, depois de um hiato nos zoológicos do Brasil  desde os anos 1960, no Rio de Janeiro.

Conhecido também como “pavão-papa-moscas”, o pavãozinho-do-Pará habita ainda áreas do México, da Argentina e do Uruguai. No Brasil, é encontrado na região amazônica, além do norte do Mato Grosso, Goiás e Piauí.
No Mangal, desde 2009 a espécie vive no Borboletário, que simula seu habitat – áreas de solo úmido, como margens de rios, lagos e igarapés -, onde se alimenta de camarão, ração e larvas de besouro.   

O Mangal das Garças é o único zoológico brasileiro que mantém a espécie em cativeiro, com relatos de reprodução bem sucedida.
Nas árvores, o ninho é feito com fibras, folhas, musgo e raízes. Os ovos postos – só um ou dois – são chocados por até 27 dias. Para proteger o ninho de predadores – principalmente roedores –, a mãe finge estar ferida ou mostra sua plumagem, emitindo um som parecido com o sibilar da cobra. Em cativeiro, a ave pode viver mais de 25 anos. Na natureza, cerca de 20 anos.
Com 40 mil m², o Mangal das Garças tem mais de 500 animais, de 59 espécies. Este ano, colhereiros, socozinhos, marrecas (das espécies Irerê, Asa-de-seda e Cabocla), guarás e o pássaro trinca-ferro já se reproduziram no parque.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *