Hoje a Assembleia Legislativa do Pará retomou seus trabalhos no segundo período legislativo do terceiro ano da da 19ª Legislatura, de forma totalmente presencial, apesar da reforma do prédio sede do Palácio Cabanagem e do próprio plenário Newton Miranda. Após…

Em visita oficial, a Academia Paraense de Jornalismo e a Comissão de Defesa do Patrimônio Histórico do Instituto Histórico e Geográfico do Pará pediu ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, o veto à alteração dos nomes da Rua da Municipalidade…

O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil, em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Praticagem da Barra do Pará, Sociedade Amigos da Marinha Pará, Secretarias de Saúde de Barcarena e do Estado do Pará, Tribunal…

Guy Veloso, filho do saudoso jurista, notário e político Zeno Veloso, plantou em sua memória um pé de baobá na Universidade Federal do Pará, onde o ilustre parauara se destacou como professor de direito civil e direito constitucional, formando gerações…

Novo alento para Óbidos

Terminal de Óbidos. Foto: ascom da Prefeitura. 
Óbidos é uma linda e histórica cidade parauara, com fortes raízes culturais portuguesas, situada estrategicamente na garganta do Amazonas – a parte mais estreita e profunda do caudaloso rio – mas sua estrutura portuária, com área de 2.579,74 m², está deteriorada e paralisada há mais de dez anos. O terminal hidroviário começou a ser construído e permanece inacabado, apesar da enorme demanda de passageiros e cargas pela estrada líquida. Agora, através de um Termo de Cooperação Técnica, assinado ontem pelo presidente da Companhia de Portos e Hidrovias do Pará, Alexandre Von, e o prefeito de Óbidos, Chico Alfaia, o governo do Estado vai investir cerca de R$3 milhões para a conclusão do terminal. Após a publicação do documento no DOE, a CPH divulgará os critérios e o Aviso de Licitação, com previsão de iniciar a obra no primeiro semestre de 2018. 

Apesar de ser área de fronteira, grande movimentação de mercadorias, boa parte oriunda da Zona Franca de Manaus (AM), e da maior importância no combate à evasão fiscal e ao tráfico de drogas, a Base Candiru foi inexplicavelmente desativada e até hoje, malgrado as promessas, não foi reconstruída. Em novembro do ano passado, chegou a ser apresentado o projeto de nova unidade flutuante, desenvolvido por Demétrio Hage Neto e Ramon Campos, técnicos da CPH, que deveria ser construído e utilizado em parceria da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa)  com a Receita Federal e a Polícia Federal. Era para o projeto executivo ser elaborado em dois meses e a construção ficar pronta em seis meses, com recursos das três instituições.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *