Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Não ao trabalho escravo!

Ontem, 123 anos após a abolição da escravatura, o Ministério Público Federal do Pará encaminhou à Justiça 23 denúncias desse crime em Marabá, região do País com o maior índice de casos, e que já acumula 282 ações ajuizadas pelo MPF em desde 1986 (confira tabela aqui).

A situação característica de submissão à escravidão é o trabalho exercido em péssimas condições de higiene, alimentação e moradia, sem segurança contra acidentes, com jornadas exaustivas e, em alguns casos, a chamada “servidão por dívida”: os empregados são obrigados a adquirir alimentos e equipamentos de trabalho com o próprio empregador, acumulam dívidas e, sem condições de quitá-las, ficam permanentemente endividados.

As denúncias ajuizadas pelos procuradores da República em Marabá, Tiago Modesto Rabelo e André Casagrande Raupp, são emblemáticas. Em Goianésia, na Fazenda Mimosa, do produtor rural Ruy Pithon Brito Júnior, os trabalhadores só tomavam conhecimento dos valores das mercadorias que lhe eram ‘fornecidas’ no momento do pagamento, por ocasião do acerto, o que tornava difícil o controle e disposição do próprio salário. Os cuidados com o gado eram maiores que os cuidados com os seres humanos. Ao contrário do barraco dos trabalhadores, o curral era iluminado e construído com madeira de qualidade bem acabada e coberto com de telhas uniformes de fibro-cimento.

Outra denúncia foi de flagrante na Fazenda Tonaco, em Eldorado dos Carajás: gado e trabalhadores tinham que compartilhar a mesma água para saciar a sede.

*Com informações do MPF/PA

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *