Na terça-feira da semana passada (19), quando estava em votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de Indicação de autoria da deputada Professora Nilse Pinheiro transformando o Conselho Estadual de Educação em autarquia, detentora de autonomia deliberativa, financeira e administrativa,…

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

MPF versus ICMBio na Flona do Crepori

O Ministério Público Federal requereu hoje à Justiça Federal em Itaituba, no sudoeste do Pará, liminar suspendendo a exploração madeireira na Floresta Nacional do Crepori, liberada por licitação do Serviço Florestal Brasileiro, que desconsiderou a presença de comunidades ribeirinhas e indígenas na área e não providenciou a consulta prévia, livre e informada prevista na Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho. A movimentação de madeireiros e funcionários do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), responsável pela Flona, vem provocando tensão com os moradores e há risco de conflito. A Associação Indígena Pusuru, dos índios Munduruku, informou ao MPF a grande movimentação de pessoas de fora na região, supostamente para abrir uma estrada de acesso às máquinas para a derrubada da floresta.  

Acontece que o Serviço Florestal insiste em não reconhecer os moradores do Crepori como população tradicional. Mas o MPF alega que no interior das áreas licitadas passam igarapés de pesca, trilhas de caça e zonas de coleta e há concentração de aldeias Munduruku, na divisa com a Flona, a menos de 2 Km do megaempreendimento madeireiro. 

O processo tem o nº 2375-31.2014.4.01.3908.

Leiam a íntegra do pedido aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *