O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, convocou e empossou Torrinho Torres, primeiro suplente do Podemos, na vaga do deputado Igor Normando, que está licenciado para exercer o cargo de secretário de Estado de Articulação da Cidadania. O novo parlamentar…

Reconhecimento máximo da Associação Paulista de Críticos de Artes a obras de Literatura, Música popular, Arquitetura, Artes Visuais, Cinema, Dança, Rádio, Teatro, Teatro Infantojuvenil e Televisão, o Prêmio IPCA, anunciado na segunda-feira, 6/2, contemplou o livro de contos “Eu já…

A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

MPF quer saber do resgate do Haidar

Embora a operação seja executada sob a responsabilidade do DNIT – Departamento nacional de Infraestrutura de Transportes, e o Porto de Vila do Conde seja da Companhia Docas do Pará, o Ministério Público Federal oficiou nesta quarta-feira (23) à Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade e à empresa Superpesa Companhia de Transportes Especiais e Intermodais, cobrando informações sobre os trabalhos de resgate do navio Haidar, que afundou no porto de Vila do Conde, em Barcarena (PA), em 6 de outubro de 2015, despejando cinco mil bois vivos no rio Tocantins e com setecentos mil litros de combustíveis a bordo.

O MPF reclamou o cumprimento da obrigação legal de que todos os procedimentos sejam amplamente comunicados às comunidades vizinhas ao porto com antecedência, de modo que os moradores possam se preparar e os transtornos sejam reduzidos. À Semas o MPF demandou que a secretaria notifique a empresa sobre o descumprimento dessa obrigação, e que determine o atendimento da exigência em todas as etapas do processo de reflutuação, retirada e varação do navio.

Moradores de Barcarena denunciaram ao MPF que trabalham próximos ao porto e têm suas atividades prejudicadas pela falta de comunicação adequada sobre as etapas de resgate e seus possíveis impactos. O DNIT gastou R$ 51,2 milhões para a realizar a operação, destinada a liberar o berço 302, no porto de Vila do Conde, que estava obstruído durante os últimos seis anos.

Ao afundar, o navio Mv Haidar, de bandeira libanesa, causou gravíssimos impactos em todo o nordeste do Pará. Houve vazamento de óleo no rio, toda a carga viva pereceu, com intenso sofrimento, e um rastro de poluição se espalhou nas águas da região, prejudicando milhares de famílias. O banho, a pesca e o uso doméstico das águas foi proibido e o movimento de frequentadores das praias de Barcarena, Abaetetuba e ilhas vizinhas zerou, inviabilizando o sustento dos ribeirinhos, a cadeia produtiva e de logística portuária, afetando intensamente a economia do Estado do Pará e a Companhia Docas do Pará. Foi a maior tragédia ambiental, social e econômica do tipo na Amazônia, no Brasil e no mundo, cujos efeitos perduram até hoje.

Vários laudos comprovam danos sociais e ambientais provocados pelo desastre, que geram um valor mínimo de R$ 71 milhões em indenizações. Em fevereiro de 2018, a Justiça Federal homologou acordo judicial entre MPF, MPPA, DPE/PA, Defensoria Pública da União, Estado do Pará, município de Barcarena, União e os responsáveis pelo navio, pela carga e pelo porto (Husein Sleiman, Tamara Shipping Co Ltda., Minerva S/A, Companhia Docas do Pará S/A e Norte Trading Operadora Portuária Ltda). O acordo determinou a destinação de R$ 7,6 milhões às famílias atingidas pelo acidente, pelos danos individuais, e de R$ 3 milhões ao custeio de projetos comunitários de assistência social e educacional, pelos danos coletivos. Mas até hoje não foram indenizadas pela tragédia ambiental, social e econômica.

   Relatório do Instituto Evandro Chagas datado de 2018 aponta que rios e igarapés de Barcarena têm níveis altos de metais tóxicos, tais como arsênio, chumbo, manganês, zinco, mercúrio, prata, cádmio, cromo, níquel, cobalto, urânio, alumínio, ferro e cobre. Para Edna Castro, cientista social com doutorado em Sociologia pela Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales na França e professora titular da Universidade Federal do Pará (UFPA), “Barcarena se classifica como uma zona de sacrifício ambiental e social”, o que significa que “o impacto gerado é tão forte que ela se caracteriza como se fosse definido que aquela zona pode morrer”. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

  1. Lamentavelmente todos os acidentes e incidentes de grande repercussão e que afetam diretamente a comunidade do entorno, após decorridos o tempo de maior cobertura da imprensa, via de regra, fica o prejuízo à comunidade e nem sempre os valores de indenização arbitrados pela justiça são cumpridos. Sempre prevalece a lei do mais forte.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *