O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

MPF denuncia atual e ex-prefeito de Almeirim

O Ministério Público Federal denunciou o prefeito de Almeirim, José Botelho dos Santos, e o ex-prefeito Gandor Calil Hage Neto. Ambos são acusados de crime de responsabilidade pelo desvio de recursos federais no montante de R$ 7,8 milhões, por meio de saques em espécie sem a efetiva contraprestação em serviços ou produtos, de acordo com informações do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF). O município de Almeirim, que fica a 808 Km de Belém e tem cerca de 32 mil habitantes,  recebeu R$ 134.434.910,59 entre 2007 e 2011. Conforme o procurador regional da República Alexandre Espinosa, de janeiro de 2009 a novembro de 2011 o atual prefeito José Botelho dos Santos sacou das contas da prefeitura R$ 5.557.396,00, com o auxílio de Devanil Brazão Araújo, ex-secretário de Fazenda, e Ademir Vicente, ex-representante da Construtora Jerfran. Já na gestão de Gandor Hage, no período de agosto de 2007 a dezembro de 2008, foram sacados R$ 2.311.139,00, com auxílio de Ivan Martins da Silva, secretário de Agricultura à época, Thomaz da Silva Santos, secretário especial de controle interno, e Maria Madalena Campos e Silva Rabelo, assessora contábil.
O MPF pede a devolução do dinheiro aos cofres públicos e ainda a perda de cargo e a inabilitação, pelo prazo de cinco anos, para o exercício de cargo ou função pública, eletivo ou de nomeação. O processo, de nº 0076056-89.2012.4.01.0000/PA, tramita perante o 
Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Brasília.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *