Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

MPE-PA pede intervenção em Soure

O procurador-geral de Justiça do Pará, Marcos Antônio Ferreira das Neves, em Representação ao TJE-PA, pediu intervenção em Soure e a nomeação, pelo Executivo, de um interventor pelo prazo de 90 dias. O PGJ historia em sua petição que, desde o último dia 7, a população do município está revoltada com a gestão do prefeito João Luiz Oliveira Souza Melo, em face da precária situação de Soure, o que levou a Câmara Municipal a instaurar procedimento a fim de apurar infração político-administrativa em razão da falta de prestação de contas do prefeito ao Legislativo Municipal, ao longo de mais de 6 anos, o que culminou, no dia 10 de junho, na decisão de afastamento cautelar do prefeito pelo prazo de 90 dias. Acontece que a insatisfação da sociedade local, cumulada com a insegurança geral vivenciada no município, levou vice-prefeita e demais vereadores a se declararem impedidos e assim a ordem de transmissão, conforme determina a Lei Orgânica do Município e a Constituição, não foi cumprida. Diante da gravidade da situação, o MPE-PA não vê alternativa a não ser a intervenção estadual.

A Constituição do Pará estatui que a competência para analisar a representação interventiva destinada a assegurar a observância de princípios constitucionais ou para prover a execução de lei, de ordem ou de decisão judicial é do Tribunal de Justiça do Estado. No mesmo sentido, o Regimento Interno da Corte estadual também prevê que é atribuição do presidente do TJE-PA requisitar a intervenção nos municípios ao governador, após o provimento da representação interventiva, salienta o PGJ Marcos das Neves, frisando, ainda, que o cenário em Soure atenta contra o Estado de Direito. “É necessário ressaltar que a intervenção, no caso concreto, é a única medida viável a restabelecer a ordem jurídica e social no município de Soure. Neste mesmo sentido, a ausência de gestão municipal resultará, ainda, na grave interrupção dos serviços públicos, agredindo de morte o princípio da continuidade dos serviços públicos prestados pelo município, notadamente na concretização do direito fundamental à educação e à saúde”, alerta o PGJ.

Após a nomeação pelo governador Simão Jatene, por meio de decreto, o interventor deverá se comprometer a elaborar e encaminhar relatório circunstanciado da intervenção ao chefe do Executivo, que será submetido à Alepa e ao TCM-PA, para o parecer e aprovação das contas e das medidas adotadas durante a intervenção.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *