A empresa de ônibus Belém-Rio, que faz a linha para o distrito de Outeiro – Ilha de Caratateua, em Belém, aparentemente está falida e reduziu pela metade a sua frota, causando enorme sofrimento aos usuários do transporte coletivo. O serviço,…

A Cosanpa abriu nada menos que seiscentos buracos imensos nos bairros mais movimentados de Belém, infernizando a vida de todo mundo com engarrafamentos e causando graves riscos de acidentes, principalmente porque chove sempre, e quando as ruas alagam os buracos…

O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

MPE denuncia situação de Fórum ao CNJ

 

O promotor de Justiça Mauro José Mendes de Almeida não suportou mais o que considera descaso com o dinheiro público e pediu providências ao CNJ contra a administração superior do TJE-PA, face ao estado calamitoso do Fórum distrital da Vila do Mosqueiro, cuja obra de reforma e ampliação foi iniciada em março de 2012, na gestão da desembargadora Raimunda do Carmo Gomes Noronha, quando a empresa Lastro Projetos e Construção Civil Ltda. foi contratada para executar a obra, pelo valor de R$2.333.285,53, no prazo de 9 meses. Contudo, passados mais de dois anos, o prédio está literalmente caindo aos pedaços, pela ação do tempo e pela inércia com a coisa pública, diz o promotor Mauro Almeida, salientando em sua petição ao CNJ que “(…) a ampliação do prédio anexo somente aumentou ainda mais os espaços de desconforto, com salas apertadas e divisórias que mais parecem uma loja de departamentos. Na sala de audiências, os advogados, as partes, os funcionários, o juiz e o promotor têm que se revezar na minúscula sala, menor que o espaço destinado a um preso em regime fechado. Quando há audiência com vários presos a situação fica ainda mais deplorável, pois os carcereiros e réus são obrigados a ficar atrás da porta fechada, pois se abertas eles ficam literalmente escondidos atrás dela. Quando há Tribunal de Júri, o julgamento é realizado no auditório da Agência Distrital da Prefeitura de Belém, que funciona com apenas uma central de ar condicionado, em um espaço amplo, com calor insuportável”. 

As fotos falam por si. Estas são só um aperitivo. Vejam mais aqui.
Clique aqui e leia na íntegra o pedido de providências ao CNJ.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *