Área contígua ao centro histórico de Belém do Pará, Zona Especial do Patrimônio Histórico declarada por lei, o bairro do Reduto, cenário industrial da belle Époque, da Doca do Reduto no início do século XX, com suas canoas coloridas repletas…

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça fixou, sob o rito dos recursos repetitivos, a tese de que o servidor federal inativo, independentemente de prévio requerimento administrativo, tem direito à conversão em dinheiro da licença-prêmio não usufruída durante a…

O prefeito Edmilson Rodrigues cumpriu agenda institucional em Brasília, ao lado do secretário municipal de Gestão e Planejamento, Cláudio Puty. No Ministério da Economia, trataram das obras de saneamento básico no Canal do Mata Fome, no bairro do Tapanã, onde…

O leite materno contém propriedades importantes para o crescimento e desenvolvimento do bebê, fortalecendo a sua imunidade contra diversas doenças. Em 1992 a Aliança Mundial de Ação Pró-Amamentação criou a Semana Mundial de Aleitamento Materno, de 1 a 7 de…

Manifesto Sindicato é pra lutar

“Dia do trabalhador
não é dia do trabalho, é dia de luta! 
O dia 1º de maio não é o
dia do trabalho. Não é um feriado para fazer churrasco. Não é uma lembrança da
memória do ditador Getúlio Vargas. Nem é somente o dia da morte de Ayrton
Senna. 1º de maio é Dia do Trabalhador, é dia de luta, é dia de lembrar os
mártires de Chicago e de porque eles morreram. 
Em 1º de maio de 1886 os
trabalhadores de Chicago, nos Estados Unidos, iniciaram uma greve geral por
direitos que hoje compõem a base das leis trabalhistas da maioria dos países.
Eles reivindicavam principalmente a jornada de oito horas, numa época em que
mulheres, homens e crianças chegavam a trabalhar 16 horas por dia. Durante uma
manifestação em 4 de maio, provocadores a serviço dos patrões atiraram uma
bomba que matou uma pessoa e feriu várias. Imediatamente a polícia iniciou uma
repressão violenta que provocou mais mortes. Após o comício, lideranças dos
trabalhadores foram caçadas e presas e quatro grevistas foram acusados
injustamente pelos acontecimentos e enforcados meses depois. São os mártires de
Chicago, Parsons, Spies, Engel e Fisher que precisam ser lembrados hoje, porque
até hoje os direitos dos trabalhadores são desrespeitados em todo o mundo e o
direito dos trabalhadores de se manifestar por direitos está em sério risco
aqui mesmo no Brasil. 
É dia de reafirmar que
nós, jornalistas, somos trabalhadores e precisamos lutar pelos nossos direitos
com as armas da classe trabalhadora, como já demonstramos ano passado com a
vitoriosa greve dos trabalhadores da RBA, Diário do Pará e Diário Online. Chega
de jornadas extenuantes, salários indignos, chega de grevistas demitidos. A
#Chapa2 reafirma: 1º de maio é dia de luta. 
E Sindicato é pra
lutar!”
Leiam
o plano de gestão da chapa aqui.
Vejam
quem são os integrantes da chapa aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *