Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

MP barrou manobra de Morgado

 
O Ministério
Público barrou a votação, hoje, do funesto projeto de Lei que permite a
construção de grandes empreendimentos na área paralela à Almirante Barroso, do
bairro do Souza até o Castanheira, de autoria do quase ex-vereador Gervásio
Morgado (PR).
Atento à
manobra eleitoreira, o  promotor de
justiça do Meio Ambiente, Patrimônio Cultural, Habitação e Urbanismo de Belém,
Raimundo Moraes, encaminhou à Câmara Municipal de Belém Recomendação oficial,
lida pelo vereador Carlos Augusto Barbosa (DEM) na tribuna.
O documento
lembra que o projeto está em estudo no Grupo de Trabalho do Ministério Público
e não pode ser colocado em pauta antes de finalizada sua tramitação regular com
audiência pública e aprovação nas comissões respectivas, garantindo o debate e
a qualificação que podem evitar futuros erros e danos à gestão urbanística de
Belém.
De acordo com laudo
técnico, empreendimentos de comércio varejista, atacadista e depósito não são
permitidos nessa área, o que o famigerado projeto tenta mudar, de modo a
permitir a instalação de construções com área igual ou superior a mil metros
quadrados com testada mínima de 20 metros, além da construção de 3 vezes a área
do lote.
Outro aspecto considerado
pelo MP é a incompatibilidade do projeto de Lei com o BRT Belém, cujo objetivo é
priorizar o transporte público. Caso o projeto de Morgado seja aprovado, irá
gerar um fluxo maior ainda de veículos com polos geradores de tráfego, fluxo intenso
e pesado de veículos individuais e de carga.
A preservação
ambiental do município também seria atingida, porque a área correspondente abrange
o Parque Ambiental de Belém que estaria irremediavelmente comprometido. “Este projeto não apresenta viabilidade
técnica de implantação e execução. O presidente da Casa deve acatar a decisão
que é totalmente coerente e retirar o projeto de pauta até que sejam feitos os
requisitos solicitados pelo Ministério Público
”, advertiu o vereador Carlos
Augusto Barbosa, que tem se notabilizado pelo empenho em zelar pelo patrimônio
de Belém.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *