Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

MP barra loteamento no lago Juá

O MPF e o MPE-PA ajuizaram ação civil pública a fim de cancelar as licenças ambientais concedidas à Sisa Salvação (Buriti Imóveis) para construção do residencial Cidade Jardim, em Santarém. Querem que paralise o empreendimento, inclusive a venda de lotes, até que seja regularizado o licenciamento, além de consulta prévia, livre e informada às comunidades de pescadores atingidas e reparação dos danos socioambientais causados pela empresa que, em 2012, desmatou 186,24 hectares nas proximidades do Juá, lago do rio Tapajós.
A Secretaria Municipal de Meio Ambiente e a Prefeitura de Santarém sequer exigiram Estudos de Impacto Ambiental, o que para o Ministério Público torna tanto a licença prévia quanto a de instalação nulas. 

O loteamento urbano fica às margens da rodovia Fernando Guilhon, nas proximidades do lago do Juá. O residencial Cidade Jardim I tem área de 995.417 m² (99,52 hectares), dividida em 2.751 lotes. Desses, 1.693 lotes seriam residenciais e 1.058 comerciais. Embora tenha recebido este ano a licença para área inferior a 100 hectares, os terrenos totalizam 1.370,58 hectares e são derivados do imóvel chamado “Terreno Rural Salvação”. O MP requer, ainda, que o município e a Sisa adotem medidas emergenciais de modo a evitar o agravamento do assoreamento do lago do Juá e do rio Tapajós.

Cliquem aqui e leiam a íntegra da ação.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *