Lançamentos literários, apresentações de teatro, oficinas voltadas para as culturas pop e japonesa, arrecadação de livros, atividades pedagógicas e lúdicas direcionadas ao público infantil, entre outras ações, estão no cardápio de cultura e arte servido aos visitantes do estande da…

O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Mortandade de tartaruguinhas

FOTO: CRISTIANE COSTA
Milhares de filhotes de tartaruga morreram
no Tabuleiro do Embaubal, conjunto de praias sazonais do rio Xingu, entre os
municípios de Vitória do Xingu e Senador José Porfírio, considerado a maior
área de reprodução da espécie tartaruga amazônica (podocnemis expansa).
Todos os anos, mais de um milhão de
ovos são depositados no Tabuleiro do Embaubal na época de reprodução. Mas a
ocupação desordenada das praias, o desmatamento, a intensa atividade predatória
– sobretudo de urubus – e o alagamento das covinhas dos ovos com a subida da
maré do rio provocam a morte de um percentual expressivo desses filhotes.
A empreiteira Biota deveria garantir o
manejo correto de modo a mitigar os impactos das obras da UHE-Belo Monte e
salvar os filhotes ameaçados para garantir a reprodução da espécie. Mas está
sendo acusada pelo professor Juarez Pezzuti, da UFPA, um dos maiores
especialistas do país em tartarugas amazônicas. Ele diz que a imperícia da
empresa teria causado o dobro de mortes de filhotes por predação de urubus: 5
mil em 2010 e 10 mil em 2011. 

No último dia 13, Ibama e Secretaria de Meio Ambiente do Pará concordaram em
permanecer  no Tabuleiro entre julho de 2012 e janeiro de 2013. A Sema
fiscalizará a captura ilegal de quelônios nos meses de julho, setembro e
novembro e o Ibama nos meses de agosto, outubro e dezembro. 
Leiam mais em Últimas Notícias, no site
Uruá-Tapera.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *