Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Mistério na morte de 8 macacos no Bosque e alterações nos demais

Os fofos e brincalhões macacos-de-cheiro (Saimiri sciureus), sempre em grupo ou com os pais carregando amorosamente os filhotes, saltando com agilidade pelos galhos das árvores e fazendo gracinhas nas grades do muro sempre foram atração à parte no Bosque – Jardim Botânico Rodrigues Alves, em Belém do Pará. Mas estão gravemente impactados por um mal ainda não identificado. Ontem, 3, oito deles foram encontrados mortos, e os outros estão apresentando alterações no comportamento: isolamento, aspecto abatido e lentidão. O caso está sob investigação pelo Centro de Controle de Zoonoses da Prefeitura de Belém e por especialistas da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra). Após a necrópsia, o laudo deverá ser exarado em até vinte dias. Entre as suspeitas constam raiva, febre amarela, infecção por fungos, vírus ou alimentar.

O biólogo do Bosque-Jardim Botânico, Tavison Guimarães, informou que a equipe está tentando capturar alguns dos sessenta macacos dessa espécie que vivem lá para um exame mais acurado, mas encontra dificuldades, porque eles se embrenham na mata. Ele, a veterinária Juliana Bittencourt e o diretor do Rodrigues Alves, Alexandre Mesquita, estão apreensivos porque é a primeira vez que há registro da morte de vários desses animais ao mesmo tempo.

O assistente administrativo Moisés Cunha fazia rondas de rotina pela manhã da sexta-feira quando encontrou os corpos de três macacos, perto do muro do Bosque que fica ao lado da parada de ônibus da Av. Almirante Barroso com a Trav. Lomas Valentinas. No mesmo dia, por volta das 12h, em nova ronda, Moisés estava junto com a equipe quando, em outro local, foram encontrados mais três macacos mortos. E próximos ao muro na esquina da travessa Perebebuí com a Av. Almirante Barroso mais dois foram encontrados mortos, totalizando oito perdas.

Os macaquinhos de cheiro são primatas amazônicos de hábitos diurnos e exclusivamente arborícolas, gostam de comer frutas, cereais, vegetais e alguns insetos. Em média têm 30 cm de comprimento e pesam pouco mais de meio quilo. Têm comportamento alegre e andam sempre em grupos, que podem chegar a até de quinhentos indivíduos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *