O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Missa de 30 dias

Hoje, meu eterno cunhado-irmão Marco Antonio Mollinetti completaria 48 anos, se há um mês sua vida não tivesse sido ceifada. Em sua memória, convido parentes, amigos e os leitores para, juntos, orarmos por ele na missa de hoje às 17 horas, na capela de Santo Antonio de Lisboa, na praça Batista Campos.

Peço a todos também que, do modo que puderem, ajudem a esclarecer as circunstâncias em que ele morreu, a fim de que seja feita Justiça. Disseram que se suicidou. Não creio. Ele sofria de depressão, mas estava medicado e sob acompanhamento de psiquiatra e psicóloga. Tinha renovado três dias antes o visto de seu passaporte para passar as férias com minha irmã e o filho deles nos EUA. Estava feliz e animado.

Marco morreu em plena missão oficial que abraçou, o combate ao trabalho escravo, dentro de sua carreira de auditor fiscal do Ministério do Trabalho. O próprio delegado de polícia de São Mateus (ES), onde ele foi encontrado morto, oficiou ao juiz local informando haver indícios de homicídio. Os documentos sigilosos da operação de que participava e seus dois telefones celulares (pessoal e institucional) desapareceram de dentro do carro oficial da DRT/ES – mas um par de tênis seus que estavam ao lado foram ignorados pelo ladrão.

Até hoje não consegui ter acesso à perícia feita no local e no corpo.

Minha querida amiga jornalista Rita Soares se empenhou junto ao senador José Nery, vice-presidente da Subcomissão de Combate ao Trabalho Escravo do Senado, e ele oficiou no dia 06 de abril ao secretário de Segurança Pública do Espírito Santo, solicitando informações acerca da abertura do devido inquérito e do resultado das investigações. Sequer recebeu resposta até esta data.

Apelei ao juiz José de Alencar que, de imediato, acionou a Associação dos Magistrados Trabalhistas da 8ª Região (Pará e Amapá) – Amatra VIII -, um dos esteios do movimento pela erradicação do trabalho escravo e em prol da aplicação da Justiça, que, instantaneamente, através de seu vice-presidente legislativo, juiz Jônatas Andrade, se prontificou a atuar no caso e mobilizar a Amatra XVII e a Anamatra.

Assim como Marco, muitos de seus colegas que, com seriedade, retidão e amor à causa, cumprem sua nobre e perigosa missão, estão sob o perigo de tombar perante o crime organizado. Não podemos permitir que isto aconteça.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *