A igreja de São Francisco de Assis em Belém do Pará, carinhosamente chamada pelos fiéis de "Capuchinhos", completará cem anos de sua inauguração em 02 de outubro de 2022. A abertura oficial das festividades será com um concerto na igreja…

O trânsito continua matando mais do que muitas guerras. A administradora Gina Barbosa Calzavara, coordenadora dos bosquinhos da Universidade Federal do Pará, fez uma emocionante homenagem à memória do jovem Jean Serique Lameira, esportista do ciclismo e que também usava…

O Laboratório de Engenharia Biológica do Parque de Ciência e Tecnologia - PCT Guamá está estudando o sequenciamento genético do açaí, de modo a assegurar a rastreabilidade de ponta a ponta na cadeia produtiva e padrões de qualidade para os…

A Lei estadual nº 9.278/2021, que entrou em vigor em 30 de junho deste ano, instituindo a obrigação de que pessoas residentes em condomínios, conjuntos habitacionais e similares comuniquem à Polícia Civil, de forma imediata, qualquer tipo de agressão praticada…

Mineradoras reagem à taxa sobre água

Depois de concluir os projetos de lei com os quais implementará a reengenharia administrativa a fim de azeitar a máquina estadual e captar novos recursos para financiar investimentos, o governador Simão Jatene está fazendo um check up médico para entrar em 2015 tinindo, como diria o ex-governador Hélio Gueiros. Mas as empresas mineradoras já reagiram à criação da Taxa de Controle, Acompanhamento e Fiscalização das Atividades de Exploração e Aproveitamento de Recursos Hídricos – TFRH e ao Cadastro Estadual de Controle, Acompanhamento e Fiscalização das Atividades de Exploração e Aproveitamento de Recursos Hídricos – CERH. Nota Técnica elaborada pela Comissão de Direito Minerário da OAB-PA sobre o projeto de lei de iniciativa do Executivo tratando da cobrança já aterrissou na Assembleia Legislativa, na esteira do forte lobby do setor, que evita bater de frente com o governo e utiliza, como diz o caboclo, interpostas pessoas. 

Assinada pelo advogado Márcio Augusto Maia Medeiros, presidente da Comissão de Direito Minerário da OAB-PA, a nota alega inconstitucionalidade da nova
taxa que o Executivo pretende instituir, “por não possuir
vinculação (ainda que aproximada) com o custo dispendido com o
exercício do poder de controlar, acompanhar e fiscalizar o uso
dos recursos hídricos”. Sustenta que “o Estado do Pará não tendo
instituído o Conselho Estadual de Recursos Hídricos, os Comitês
de Bacias Hidrográficas e a classificação das águas dos rios
(Resolução CONAMA 57/2005), não pode cobrar pelo uso da água” e que “A “taxa” foi uma via oblíqua encontrada, para cobrar por esta
utilização, esquecendo-se de que o valor da taxa (base de
cálculo) deve ser proporcional ao custo dispendido na atividade
estatal ao qual está vinculado”. Aponta invasão da
competência privativa da União e reclama que “o Estado do Pará já cobra do Setor Minerário, através da Lei 7.591/2011, a conhecida “taxa da mineração” tendo como
pressuposto o poder-dever de registrar, acompanhar e 
fiscalizar as concessões de direitos de pesquisa e exploração de recursos hídricos e minerais em seus territórios, revelando um “bis in idem” (dupla cobrança) pelo suposto poder de polícia ambiental exercido pelo Estado, independente de seus órgãos etc” (sic).
A nota conclui assim: “considerando o relevante papel desta Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Pará, na construção da democracia e na observâncias da força normativa da Constituição Federal, e por ser papel desta Comissão de Mineração, a qual tenho a honra de presidir, lutar pelo interesse público (art. 176, §1o, da CF/88) e pela defesa da sociedade (cobrança ilegal de taxa de pessoas físicas e jurídicas), é que venho requerer a intervenção dessa OAB/PA frente ao legislativo, no sentido de dialogar e demonstrar a inconstitucionalidade do Projeto de Lei do Executivo Estadual
(em anexo). ” 

Curioso o empenho dessa comissão considerar ser interesse público e se tratar da defesa da sociedade quando os interesses das mineradoras estão justamente em choque com a necessidade de a sociedade paraense ter algum usufruto em função dessas atividades. Há décadas o Pará debate a questão minerária e a OAB tem participado, sempre comungando das propostas no sentido da instituição de mecanismos legais que garantam a contrapartida à retirada dos bens minerais do território parauara, que são isentos de tributação quando da exportação, e cuja ausência de compensação tem gerado perdas de recursos que perpetuam a pobreza e a desigualdade.

Confiram a íntegra da Mensagem e do projeto de lei.

 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *