A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

MDHC recompõe a Comissão de Anistia

Através da Portaria nº 31 de 16/01/23, publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (17), o Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania definiu a nova composição da Comissão de Anistia. Os dezesseis integrantes foram escolhidos pela experiência técnica, em especial no tratamento do tema da reparação integral, memória e verdade.

Criada pela Lei nº 10.559/2002, a Comissão de Anistia é um órgão de assessoramento direto e imediato do ministro de Estado dos Direitos Humanos e da Cidadania. A finalidade consiste em analisar os requerimentos de anistia que tenham comprovação inequívoca de perseguição sofrida, de caráter exclusivamente político, e emitir parecer opinativo sobre os pedidos, cuja análise observa a ordem cronológica de protocolo, e a prioridade é definida a partir de critérios tais como idade, doença, desemprego e renda inferior a cinco salários mínimos.

Até 2017, a Comissão de Anistia mantinha o conceito de reparação integral. Porém, a partir de 2019, do total de 4.285 processos julgados, 4.081 foram indeferidos, ou seja, 95% dos casos apreciados pela Comissão de Anistia foram negados.

Integram agora a Comissão Eneá de Stutz e Almeida, Presidente; Márcia Elayne Berbich Moraes; Ana Maria Lima de Oliveira; Rita Maria Miranda Sipahi; Vanda Davi Fernandes de Oliveira; Prudente José Silveira Mello; José Carlos Moreira da Silva Filho; Virginius José Lianza da Franca; Manoel Severino Moraes de Almeida; Roberta Camineiro Baggio; Marina da Silva Steinbruch; Egmar José de Oliveira; Cristiano Otávio Paixão Araújo Pinto; e Mario de Miranda Albuquerque. Os membros representantes do Ministério da Defesa e dos anistiados serão designados em ato posterior. O ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, Sílvio Luiz de Almeida, frisa que a participação na Comissão é considerada prestação de serviço público relevante, não remunerado.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

  1. A comissão tem um papel de suma importância neste contexto, analisar com justiça e imparcialidade a partir de um minucioso estudo desde os fatos que deram origem, caso a caso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *