A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

Prefeito de Santarém denuncia ataque xenófobo

O povo santareno, parauara e de toda a região Norte foi vítima do preconceito de uma passageira do voo da TAM que decolou hoje de Santarém com destino a São Paulo (SP). Contrariada por ter sido obrigada a despachar sua bagagem por estar em desacordo com as normas aéreas, ela passou a ofender em altos brados, dentro da aeronave, não só os empregados da companhia como toda a coletividade, com adjetivos tais como “povo atrasado”, “burro”, “lerdo”, e disse que “se as pessoas do Norte fossem para São Paulo não iriam conseguir emprego”. A passageira foi identificada como Pollyanna Silva, natural de São Paulo. O prefeito de Santarém, Nélio Aguiar, que estava a bordo, ficou indignado e gravou um vídeo informando que tomará providências legais contra a conduta, que é criminosa. Nélio provou sua boa educação ao evitar conflito dentro da aeronave e buscar a punição e reparação legal. Outros passageiros também compartilharam vídeos nas redes sociais, sentindo-se feridos moralmente.

A escalada de manifestações agressivas contra os nordestinos levou o Superior Tribunal de Justiça, em novembro do ano passado, a reconhecer que a prática de xenofobia é crime (STJ, REsp 1.569.850). Previsto na Lei Nº 9.459/97, enquadra aqueles que pratiquem, induzam, incitem a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional. A pena é reclusão de um a três anos e multa. Cabe, ainda, indenização por dano moral coletivo.

A jurisprudência evoluiu e estabeleceu a competência da Justiça Federal para o julgamento do feito, quando a conduta discriminatória atinja ou tenha o potencial de atingir a coletividade.

O caráter eugênico do racismo no Brasil é facilmente identificado em expressões aparentemente inocentes como “bem nascido”. Há um nítido preconceito no Sul e Sudeste contra nordestinos e nortistas, frequentemente vítimas de violência e desrespeito, até mesmo da parte de pessoas que nem integram a elite mas se acham superiores. Zombam e magoam como se fosse algo normal agredir outros brasileiros, tentando se legitimar em alegada superioridade intelectual.

Nortistas e nordestinos são protagonistas na cultura, na literatura, nas artes, na medicina, na justiça e na política. Inadmissível em uma democracia crimes de intolerância e ódio, que são crimes contra os direitos humanos: LGBTfobia, misoginia, neonazismo, racismo, xenofobia, intolerância religiosa e apologia a crimes contra a vida.

Ao requerer as devidas providências legais, o prefeito de Santarém está protegendo e cuidando não só de seus munícipes como de milhões de pessoas historicamente discriminadas e menosprezadas, dando exemplo de cidadania ao exigir respeito. Como santarena e parauara, me sinto representada. E espero que o Ministério Público Federal acione a autora no Judiciário, para que peça desculpas publicamente e pague indenização por danos morais coletivos, que o MPF poderia direcionar a uma campanha educativa.

Assistam aos vídeos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

  1. Estas manifestações de arrogância e prepotência começam geralmente na infância, tendo como exemplo a própria família, que movida pelo poder aquisitivo ou vaidade, acham-se superiores.
    Infelizmente essa prática dentro de nosso cotidiano, é mais comum do que se imagina, lamentável.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *