Desde sua origem, Marabá (PA) sofre anualmente enchentes dos rios Tocantins e Itacaiúnas e a população que reside em áreas de risco fica em situação de vulnerabilidade. Todos os anos a defesa civil estadual e municipal planeja, monitora e prepara…

Em noite de gala na próxima segunda-feira, 24, às 19h, no Teatro Maria Sylvia Nunes, em Belém, o governador Helder Barbalho vai lançar o 110º Campeonato Paraense de Futebol, o Parazão Banpará 2022, com transmissão ao vivo pela TV e…

Todos os órgãos de segurança estão trabalhando de forma integrada para dar suporte à população em face da destruição do pilar central e iminente desabamento do vão da ponte do Outeiro. O Centro Integrado de Comando e Controle da Segup…

O Procurador-Geral de Justiça do Estado do Pará, César Mattar Jr., recebeu em audiência o advogado Arnaldo Jordy e uma comissão integrada por Simone Pereira, da Universidade Federal do Pará; Marcelo Alves, da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e…

Marajó articula rede e protagonismo

A Comissão Justiça e Paz da CNBB Norte II, liderada pelo bispo emérito do Marajó, Dom José Luiz Azcona, reuniu com o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA-ONU), a Ong internacional  Pro Natura, a Associação dos Municípios do Arquipélago do Marajó (AMAM), a Comissão Pastoral da Terra – CPT, as religiosas da Fraternidade Ágape da Cruz e o vigário geral do Marajó, padre Mateus Tavares dos Santos, que representou o bispo da diocese de Ponta de Pedras, Dom Teodoro Mendes Tavares. Em pauta, a necessidade premente de ações para resgate da cidadania da população marajoara, que vive na região com menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do País.

O UNFPA é o organismo da ONU responsável por questões populacionais e de desenvolvimento. A Pro Natura já está presente com um programa piloto no Marajó há quatro anos, em Curralinho, atuando como integradora e articuladora na construção de projetos de desenvolvimento local sustentável. A estratégia é estabelecer uma rede de parcerias, públicas e privadas, e realizar um planejamento colaborativo, de modo a executar e monitorar as ações com eficiência.

Trabalhando junto com o Instituto Peabiru, a partir do Plano Viva Marajó, a Pro Natura pretende construir uma agenda regional positiva e instalar uma fábrica escola de processamento de açaí, cujo projeto está em trâmite desde 2012 no Fundo Amazônia do BNDES. A cooperativa Sementes do Marajó, criada em Curralinho em 2015, recentemente já fez a sua primeira operação de venda da produção. Também já existe um telecentro na zona rural, a fim de proporcionar inclusão digital a alunos e professores.

Dom Azcona criticou a falta de aplicação do Plano de Desenvolvimento do Marajó, do governo federal, e o secular abandono do arquipélago, salientando que é preciso uma visão de conjunto, parceiros para agir como rede, não só com ações pontuais.  Enfatizou a necessidade de combater monopólios que impedem a população local de consumir açaí e farinha, que chegam a custar R$24, e que não se deve confundir e limitar a cultura de um povo considerando apenas manifestações folclóricas. Defendeu o foco no açaí, peixe, farinha e turismo sustentável, levando em conta a realidade, o modo de viver, sentir e fazer, de forma a reconhecer e estimular o protagonismo marajoara.

Participaram da reunião, além do bispo Dom Azcona e do padre Mateus, Vinícius do Prado Monteiro, assessor do UNFPA; Fabiane Luisi Turisco, diretora executiva da Pro Natura; Marília Tavares, representante da AMAM; as irmãs Maria Josefa Iglesias e Raimunda Rodrigues, que dirigem um abrigo para crianças e adolescentes vítimas de abuso, em Portel; Carlos Augusto, da CPT; a irmã Henriqueta Cavalcante e Franssinete Florenzano, da CJP. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *