Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

Manifesto Sou Mais Sinjor


“O Dia do Trabalhador é dia de luta,
de manifestações, de levantar a bandeira e reivindicar melhorias para a classe
trabalhadora do País. É desta forma que nós
pensamos o Primeiro de Maio e é assim que vamos vivê-lo este ano.
Nós, jornalistas paraenses,
jornalistas que trabalham nos diversos veículos da imprensa e nas assessorias
de comunicação do Estado, temos um forte motivo para celebrar este Dia do
Trabalhador. Há muitos anos a nossa categoria não demonstrava tamanha consciência
de que faz parte da grande massa de pessoas que constroem este País diariamente
nas fábricas, no comércio, no serviço público. Há muito tempo não nos uníamos
para lutar por melhorias nas nossas condições de trabalho, nos nossos salários, na nossa qualidade de vida.
Os empresários da comunicação e
mesmo os patrões do serviço público sempre tentaram fazer como que
acreditássemos que não somos trabalhadores “comuns”. Quantas vezes escutamos
dos chefes o argumento de que deveríamos procurar serviço burocrático quando
reclamávamos da extrapolação da jornada de trabalho? Como se jornalistas não
tivessem o direito a uma jornada de trabalho definida. “Temos hora para entrar,
não temos para sair”. Acreditando nisso como normal, acabamos por pensar que
éramos diferentes dos demais trabalhadores. E dessa visão distorcida sobre o
exercício da nossa profissão se aproveitaram os patrões.
Mas quando começamos a nos juntar
no Sindicato dos Jornalistas vimos que os mesmos males que afligem os demais
trabalhadores, muitas vezes defendidos por nós nas reportagens que fazemos
diariamente, são os mesmos que nos impõem jornadas de trabalho excessivas,
assédio moral, baixos salários e condições de trabalho degradantes. Diante
dessa constatação tão óbvia que nos cegava, tomamos consciência de que fazemos
sim parte da classe trabalhadora e que só unidos poderemos enfrentar os
patrões.
Hoje, Dia do Trabalhador, temos
certeza de que os jornalistas paraenses estão conscientes de que fazem parte da
classe trabalhadora brasileira e como tal estamos nas ruas, nas mobilizações,
na luta por uma sociedade mais justa e igualitária, sem medo dos clichês e dos
lugares-comuns. Sem medo de dizer que somos, sim, trabalhadores e exigimos
respeito!”

Leiam o plano de gestão da chapa aqui.

Vejam quem são os integrantes da chapa aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *