Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Mandaram os escrúpulos às favas

Eu fiquei de cabelo em pé quando li o post do deputado Parsifal Pontes, líder
do PMDB na Alepa, em seu blog Parsifal
5.4
, hoje, intitulado, não por acaso, “As alcovas das eleições da AMAT”.
Nem vou comentar. Transcrevo para que leiam e tirem suas
próprias conclusões.

Na sexta-feira (22), a Associação dos Municípios do
Araguaia-Tocantins (AmatCarajás) elegeu, com 25 votos, o prefeito de Tucuruí,
Sancler Ferreira (PPS), para presidi-la em 2013. O prefeito de Marabá, João
Salame (PPS), obteve 11 votos.
Eleições em colegiados pequenos são
favas contadas para qualquer governo, mas as despesas para contar as favas
estão cada vez maiores para o erário.
Em 2011 a conta pode ter chegado a R$
50 milhões
Na última eleição da AMAT (2011),
quando o governo elegeu o ex-prefeito de Tucumã, Celso Cardoso, a planilha das
continências veio à tona: um manuscrito, de punho do próprio
Celso
, revelou que o prato de resistência foi a
distribuição de 90 quilômetros de asfalto.
O governo não cumpriu todo o
compromisso, mas a parte liquidada pode ter beirado os R$ 50 milhões. Para quem
nada tinha, a metade do cobertor aliviou o frio.
Em 2013 a conta subiu
Nesta eleição de 2013, já na
quinta-feira (21), o Secretário de Obras do Governo, Joaquim Passarinho,
acompanhado de áulicos, desembarcou em Marabá para avalizar os votos do dia
seguinte.
Na sexta-feira (22), os prefeitos
contabilizavam o que haviam conseguido para eleger Sancler Ferreira: como o
governo não admitia ser derrotado pelo prefeito de Marabá, (que já foi aliado e
é hoje um dos seus mais ferrenhos desafetos) a caneta do Passarinho foi
bondosa.
Pelo que se ouviu, a conta ultrapassou
os 200 km de asfalto, fazendo com que o preço da eleição da AMAT esse ano possa
beirar os R$ 150 milhões.
Altaneira Polícia Militar
Embora eu já tenha visto bois voarem,
desta vez houve um compromisso inusitado: foi prometido a um prefeito, além do
asfalto, a garantia de que a Polícia Militar vai retirar os invasores da sua
fazenda. É a briosa prestando serviço eleitoral.
Cínicos, estoicos e epicuristas
Não há juízo moral na narrativa e a
prática não é invenção dos tucanos. Como os governados querem mais que rezas,
não é possível governar um Estado apenas com ave-marias: todos os governos se
valem desses artifícios para conquistar e manter espaços de poder.
A diferença está apenas nos discursos:
uns são cínicos, outros estoicos e há também os epicuristas. Os mais espertos,
dependendo da ocasião,
alinham-se
com todas essas escolas no decorrer do dia: são os pragmáticos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *