Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Mais juízes para o TJ-PA

O TJE-PA vai enviar à Alepa projeto de lei criando um cargo de juiz titular da Comarca de Belém e 14 cargos de juiz auxiliar de 3ª Entrância, além de  transformar oito cargos de juiz auxiliar da Capital (criados pela Lei nº 8.099/2015) em cargos de juiz auxiliar de 3ª Entrância. 

O TJ também vai baixar Resolução regulamentando a suspensão ou prorrogação de período de vitaliciamento de magistrados, nas hipóteses de afastamento legal (com exceção de férias) por mais de 90 dias. O afastamento dos que estiverem em estágio probatório implicará a prorrogação do processo de vitaliciamento por igual período, sem alterar a ordem na lista de antiguidade, conforme deliberado pelo Conselho Nacional de Justiça. É que os juízes devem apresentar, mensalmente, às Corregedorias de Justiça do TJ, peças processuais, para análise de produtividade e demais atividades na judicatura, em avaliação semestral, quantitativa e qualitativa, para fins de vitaliciamento. 

Outra Resolução redefine competências das varas cíveis e empresariais da Comarca de Barcarena, considerando a desproporcionalidade do número de processos em tramitação nelas. A 1ª Vara vai processar e julgar, privativamente, feitos relativos à Fazenda Pública, Execução Fiscal, Órfãos, Ausentes e Interditos, e Infância e Juventude, inclusive atos infracionais. À 2ª Vara caberá processar e julgar feitos de Família, Registros Públicos, Sucessões, Falência e Recuperação Judicial, além de Acidentes de Trabalho. Por distribuição, serão as duas competentes para processar e julgar as ações de natureza cível e empresarial. Os processos de Família já em trâmite na 1ª Vara Cível, até a entrada em vigor da nova norma (cuja vigência está prevista para o prazo de 30 dias úteis após publicação no Diário de Justiça Eletrônico), permanecerão nela até o fim.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *