O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, convocou e empossou Torrinho Torres, primeiro suplente do Podemos, na vaga do deputado Igor Normando, que está licenciado para exercer o cargo de secretário de Estado de Articulação da Cidadania. O novo parlamentar…

Reconhecimento máximo da Associação Paulista de Críticos de Artes a obras de Literatura, Música popular, Arquitetura, Artes Visuais, Cinema, Dança, Rádio, Teatro, Teatro Infantojuvenil e Televisão, o Prêmio IPCA, anunciado na segunda-feira, 6/2, contemplou o livro de contos “Eu já…

A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Maestro do Pará rege orquestra na França

O maestro e o compositor com Jatene. Foto: Antonio Silva
maestro parauara Miguel Campos Neto, regente titular da Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz, da Orquestra Sinfônica Altino Pimenta e a da Orquestra Jovem Vale Música, vai reger o Concerto de Gala do Festival “Les 2 Mondes” (2 Mundos), na França, que este ano tem o Brasil como país tema do evento realizado na cidade de Mulhouse, no período de 19 a 23 de setembro. Miguel também regerá a orquestra Sinfônica de Mulhouse, durante a turnê dos músicos franceses no Brasil, em 2018.

O convite para o festival foi entregue ao governador Simão Jatene esta semana pelo compositor Pierre Thilloy, coordenador do evento, que veio a Belém conhecer a cultura paraense e as possibilidades de apresentação da Amazônia na cidade francesa e se disse impressionado com a riqueza cultural do Pará, confirmando aquilo que é o sentimento geral: “é um outro país”

Jatene pediu que os amazônidas sejam mostrados a partir da sua pluralidade cultural e diversidade de talentos, em detrimento da forma mitológica como ainda são vistos na maioria das vezes. E contou a Pierre Thilloy que nem o Brasil tem uma visão correta da Amazônia, postura que leva a uma visão bipolar e maniqueísta da região. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *