Na terça-feira da semana passada (19), quando estava em votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de Indicação de autoria da deputada Professora Nilse Pinheiro transformando o Conselho Estadual de Educação em autarquia, detentora de autonomia deliberativa, financeira e administrativa,…

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

Madeireiros reclamam de exageros na fiscalização do Ibama

O setor madeireiro do Pará apresentou ao governador Simão Jatene um rosário de queixas: os 200 mil empregos que gerava em 2007 caíram para 50 mil postos de trabalho em 2015. A área de exportações também sofreu queda, saindo de US$ 800 milhões para US$ 140 milhões, no mesmo período. Associação das Indústrias Exportadoras de Madeiras do Pará atribui as dificuldades à fiscalização rigorosa  do Ibama. O presidente da Aimex, Roberto Pupo, alega que os madeireiros melhoraram as práticas ambientais, e que hoje cerca de 70% das exportações são de produtos industrializados em território paraense. Mas que as penalidades aplicadas a infrações mínimas são sempre as máximas. O presidente da Federação das Indústrias do Pará, José Conrado, endossou as ponderações.

Recentemente, acompanhados de advogados, os empresários do setor estiveram na Assembleia Legislativa, onde apresentaram idêntica queixa, em reunião com os deputados Fernando Coimbra, 1º vice-presidente da Casa; Raimundo Santos, presidente da Comissão de Constituição e Justiça; Júnior Hage, presidente da Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária; e Sidney Rosa, vice-líder do Governo e vice-presidente da CFFO, que também é vice-presidente da Fiepa; além do procurador geral de Justiça, Marcos Antonio Ferreira das Neves. Antes, estiveram em Brasília com o ministro Sarney Filho, do Meio Ambiente, e a presidente do Ibama, tratando do mesmo assunto. Reclamaram, ainda, do posicionamento de promotores de justiça agrários.

Parece que os madeireiros estão batendo nas portas erradas e em não boa hora, já que o problema é com órgão federal. O MPE-PA atua na esfera estadual, e se a questão não diz respeito à Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade, pouco ou nada a Alepa e o governador podem fazer. Aliás, nem mesmo a presidência do Ibama – à qual as superintendências regionais não demonstram submissão -, e o Ministério do Meio Ambiente, que não tem ingerência no órgão. Ainda mais que, com a efetivação do presidente Michel Temer, os cargos federais de livre nomeação e exoneração estão, como se diz, na ponta da agulha para a dança das cadeiras. Melhor estratégia é esperar o novo cenário que se desenha. E corrigir os problemas para evitar as punições.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *