A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Lula troca comando do Exército

O general Tomás Miguel Ribeiro Paiva, de 62 anos, é o novo comandante do Exército Brasileiro. Nascido em São Paulo, ele era Comandante Militar do Sudeste desde 2021. Não por acaso, ele fez na quarta-feira passada, 18, a primeira manifestação pública de um comandante militar à tropa, dez dias após os ataques às sedes dos três Poderes, em Brasília. O discurso, ao qual foi dada grande visibilidade pelas mídias do governo federal, defendeu com firmeza o reconhecimento à legitimidade das eleições. ““Esta é a mensagem que quero trazer para vocês. Em que pese o turbilhão, o terremoto, o tsunami, nós vamos continuar íntegros, coesos e respeitosos e vamos continuar garantindo a nossa democracia, porque a democracia pressupõe liberdade e garantias individuais e públicas. E é o regime do povo, da alternância de poder. É o voto. E, quando a gente vota, tem que respeitar o resultado da urna. Esta é a convicção que eu tenho, mesmo que a gente não goste do resultado – nem sempre é o que a gente queria. Mas esse é o papel da instituição de Estado, que respeita os valores da Pátria”.

Na sexta-feira (20), o general Júlio César de Arruda, que assumiu o Comando do Exército ainda em dezembro, já por indicação de Lula, confirmado em 6 de janeiro, participou de uma reunião com o presidente da República, o ministro da Defesa, José Múcio, e os comandantes da Marinha e da Aeronáutica. Já se desenhava a sua exoneração. Reportagem de Anthony Faiola e Samantha Schmidte Marina Dias para o “Washington Post” revelou que o comandante dissera ao ministro da Justiça, Flávio Dino: “Vocês não vão prender gente aqui” (no QG do Exército), o que teria dado azo a centenas de golpistas escaparem da prisão.

O general Tomás Miguel Paiva ingressou no Exército em 1981, como Aspirante a Oficial da Arma de Infantaria. Durante a vida militar, comandou a Companhia de Fuzileiros no 7º Batalhão de Infantaria Blindado, no Rio de Janeiro, o Batalhão da Guarda Presidencial, da Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN); a Escola Preparatória de Cadetes do Exército e o Gabinete do Comandante do Exército, em Brasília. Ele ascendeu ao posto de General de Exército, o mais alto da carreira, em 31 de julho e 2019, integrando o Alto Comando. Também já chefiou o Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx), no Rio de Janeiro.

A crise ainda está efervescendo e Lula passando a navalha. O Diário Oficial da União de ontem (20) publicou a exoneração de 14 integrantes das Forças Armadas que estavam atuando no Gabinete de Segurança Institucional, inclusive o tenente-coronel da Aeronáutica Max Steinert, que ocupava a função de assessor militar na Secretaria-Geral da Presidência. O GSI é responsável pela segurança do presidente e vice-presidente e também do Palácio do Planalto e das residências oficiais. Na terça-feira, outros 56 militares já tinham sido dispensados, sendo que 45 cuidavam da segurança do Palácio da Alvorada e da Granja do Torto.

Claro está que os ministros do GSI, da Defesa e da Justiça, todos escolhidos por Lula, cometeram erros crassos, pois poderiam – e deveriam – ter atuado preventivamente e assim evitado todo o prejuízo à nação e o agravamento dos atos dos radicais. Resta saber se o presidente vai mantê-los apesar de tudo, a fim de não espraiar a crise entre os partidos aliados.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *