Lançamentos literários, apresentações de teatro, oficinas voltadas para as culturas pop e japonesa, arrecadação de livros, atividades pedagógicas e lúdicas direcionadas ao público infantil, entre outras ações, estão no cardápio de cultura e arte servido aos visitantes do estande da…

O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Lira Maia condenado a ressarcir erário

O juiz João Ronaldo Corrêa Mártires, da 2ª Vara Criminal de Santarém, condenou o ex-prefeito e ex-deputado federal Joaquim de Lira Maia(DEM) a sete anos e seis meses de prisão, além da inabilitação, pelo prazo de cinco anos, ao exercício de cargo ou função pública, eletivo ou de
nomeação. Mas declarou, desde logo, extinta a pena pela incidência do instituto da prescrição retroativa, ocorrida em 13.08.2014, desde quando o processo – que começou em 2005 – tramitava no Supremo Tribunal Federal. Assim, Lira Maia escapou da sentença criminal. Contudo, o dever de ressarcimento ao erário do dano causado é imprescritível,
daí que o magistrado já instou o Ministério Público a utilizar as medidas judiciais cabíveis para esse propósito.



O cerne da ação é que, quando Lira Maia era prefeito de Santarém, a Secretaria Municipal de Infraestrutura licitou serviço de
aterro e terraplanagem a ser executado no Terminal Vera Paz, conforme Convite 050/97, tendo como vencedora do certame a empresa Milserv Representações Ltda., representada pelos sócios cotistas Vicente Pinto de Lira e José Ismael de Souza, que receberam R$
97.580,00. Acontece que o TCM apurou terem sido os serviços, na realidade, executados pelo 8º Batalhão de Engenharia e
Construção do Exército, no valor de R$ 73.664,99, convertidos em óleo
diesel como forma de pagamento. 



As testemunhas de acusação foram arrasadoras. Antônio da Luz Machado Freire relatou que, na condição de vereador no período de 1997 a 2000, estranhou o fato de que algumas empresas prestadoras de serviços para a administração municipal
foram criadas a partir da investidura de Lira Maia como prefeito da cidade. Iniciou investigação e constatou que a sede da Milserv Ltda. era em um barracão de
madeira no bairro da Floresta, de onde saiu correndo para não ser agredido fisicamente a porretes. Por outro lado, no local da obra  viu caçambas
do 8º BEC aterrando o terreno. Chamou a atenção do depoente
também o fato de que os valores adotados no contrato com a Milserv eram muito superiores aos de  mercado, análise subsidiada por avaliação do também vereador Ary Rabelo, que é arquiteto. Na obra do terminal
Vera Paz outras empresas constam na prestação de contas da Prefeitura como tendo realizado serviços, como por exemplo a
Amazônia Construções e Avaliações Ltda., cujos sócios tinham relações de parentesco com o então coordenador do CDU, Roberto Branco. 



Mário Augusto Medina Viana, na época inspetor do Tribunal de Contas dos
Municípios, afirmou em depoimento judicial que os serviços de aterro e terraplanagem no terminal de Vera Paz, efetivamente, foram
realizados pelo 8º BEC; que a documentação da licitação existia, como procedimento licitatório todo
instruído, mas que houve fraude, porque o depoente esteve no 8º BEC, onde o engenheiro executor confirmou ter sido a obra feita pelo Exército; que
não havia contratação de serviços e sim a pura e simples contratação direta de servidores (fiscais, auxiliares administrativos,
engenheiros, e outros cargos); que fora feita uma licitação com cooperativa, em que a prefeitura pagava a
cooperativa e esta pagava os servidores; que participou de uma equipe de inspeção
composta pelo auditor Ornilo Sampaio, o inspetor e engenheiro Fernando Camacho e a assistente de inspetoria
Yukiko Prado, além do chefe de divisão Raimundo Gavinho.



Já o coronel Luiz Fernando do Amaral Thomé, comandante do 8º BEC à época dos fatos, formado pela Academia Militar das Agulhas Negras pelo curso da arma de engenharia, com especialização em
‘estradas’ e “terraplanagem”, depôs que, nos termos do convênio, o Exército fornecia gratuitamente a mão-de-obra e era ressarcido quanto aos custos do trabalho realizado; que o 8º BEC, sob seu comando, fez
complementação de serviço de terraplanagem no Terminal da Vera Paz, em Santarém; que a obra era simples e não precisou de grandes equipamentos; o serviço foi muito pequeno, tendo custado R$73.664,99, pago em óleo diesel; e que na Amazônia o custo do quilômetro de rodovia, na época, era de
aproximadamente duzentos mil dólares.



Por sua vez, o coronel engenheiro João Carlos de Lima Maximiano, comandante do 8º BEC de 20/01/99 a 03/01, contou que a obra na Vera Paz foi executada durante o comando do Cel. Tomé, seu antecessor, e existe documento no arquivo do batalhão provando a realização; que o auditor do TCM foi ao 8º BEC se inteirar das atividades; que em 1994 foi celebrado convênio com o município prevendo a possibilidade de utilização do batalhão para fazer obras, nesse caso sem necessidade de licitação; e que o batalhão recebeu em contrapartida insumos.


Leiam aqui a íntegra da sentença, nos autos do processo 0001982-84.2005.8.14.0051

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *