Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Laticínios interditados no sudeste do Pará

Seis empresas que produzem laticínios no sudeste do Pará foram interditadas pelo Ministério Público do Estado, Ministério da Agricultura, Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará) e Polícia Militar.
Durante fiscalização, técnicos constataram várias irregularidades sanitárias e administrativas, desde a falta de documentação até a comercialização de queijo estragado.
Foram interditadas a Laticínios Rio Doce e a Ourolando, 
em São Geraldo do Araguaia, e  Laticínio Açaí e um empreendimento clandestino, sem identificação, em Piçarra. Também foram paralisadas as atividades das empresas Janaúba, em Itupiranga, e outra unidade da Ourolando em Marabá, cujo proprietário foi preso.

As empresas interditadas funcionavam sem pasteurizador, equipamento necessário para conservar e esterilizar a produção. A produção de queijo e outros derivados era feita em ambientes sujos, em meio a limo, teia de aranha, ferrugem e até fezes de ratos. Também foi observada a manipulação do salitre do Chile, produto proibido, utilizado para mascarar a acidez do leite. A fiscalização flagrou, ainda, leite estragado sendo utilizado para produzir queijo e outros produtos.
Foram apreendidos cerca de 500 quilos de queijo e 110 quilos de manteiga. Nenhuma das empresas interditadas  tinha licença para funcionar. 

Segundo o promotor de justiça Marco Aurélio do Nascimento, há a suspeita de os estabelecimentos comercializarem os produtos inadequados para outros estados.  Inquérito irá apurar se os produtos estavam sendo vendidos para compor merenda escolar. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *