Na terça-feira da semana passada (19), quando estava em votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de Indicação de autoria da deputada Professora Nilse Pinheiro transformando o Conselho Estadual de Educação em autarquia, detentora de autonomia deliberativa, financeira e administrativa,…

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

Kagami-wari tupiniquim

Foto: Cristino Martins
A barreira da língua tem disso. Na abertura da Feira do Livro, em meio à celebração cultural Brasil-Japão, só os japoneses perceberam uma, digamos, quebra do protocolo. É que no momento do Kagami-wari (cerimônia japonesa em que se quebra a tampa de um barril de saquê e serve para brinde), foram distribuídas marretas para todas as autoridades na mesa oficial, devidamente paramentadas com o quimono vermelho de festa. Aí o embaixador do Japão no Brasil, Kunio Umeda, virou para o governador Simão Jatene e falou – em japonês – orientando que iria contar até três e então – e só então – todos deveriam dar uma marretada em cima do barril. Pois bem. No que o embaixador contou “um” Jatene, rápido e fagueiro, deu logo a marretada. O embaixador e o cônsul ficaram surpresos mas não deram pinta, como convém, aliás, a um povo educadíssimo.  O prefeito Zenaldo Coutinho e o presidente da Alepa, Márcio Miranda, também não se deram por achados e trataram de marretar a tampa. A quebra do tampão de barril de saquê fermentado (vinho de arroz) só acontece nas ocasiões festivas japonesas. A bebida é servida enquanto rufam os tambores nipônicos. É um ritual xintoísta, que tem o significado de derramar bênçãos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *