Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Justiça reconhece vínculo de corretores com imobiliária

A Chão e Teto Consultoria Imobiliária, do grupo Brasil Brokers S/A, foi condenada pela 8ª Vara do Trabalho de Belém a reconhecer o vínculo empregatício de todos os seus corretores. Os atuais contratos de parceria assinados pelos corretores e a empresa foram considerados nulos de pleno direito, vez que utilizados como meio de escamotear a subordinação hierárquica e demais requisitos caracterizadores da relação de emprego.
O Ministério Público do Trabalho, autor da ação civil pública contra a imobiliária, instaurou inquérito civil após depoimentos, tomados durante inspeções em estandes de venda de empresas para as quais a corretora presta serviços, demonstrarem a caracterização de fraude na relação de emprego. O MPT chegou a propor a assinatura de termo extrajudicial, a fim de sanar as irregularidades, porém a proposta foi recusada. 

O juiz mandou assinar a Carteira de Trabalho e Previdência Social; registrar todos os empregados; não desvirtuar o instituto do estágio; observar o salário compatível com o mínimo legal; efetuar o depósito do FGTS mensal e rescisório; recolher a contribuição social incidente sobre o montante dos depósitos devidos ao FGTS; entregar a Relação Anual de Informações Sociais (RAIS); não prorrogar a jornada normal de trabalho de empregados acima do limite de 2h diárias; conceder o intervalo intrajornada e interjornada; permitir o registro pelos empregados no sistema de controle de jornada das horas efetivamente trabalhadas; se abster de manter empregados trabalhando em feriados; conceder descanso semanal de 24h consecutivas; e prestar esclarecimentos aos auditores fiscais do Trabalho. 

Caso a determinação judicial seja descumprida, a multa é de R$3 mil por cada obrigação, reversível ao Fundo de Amparo ao Trabalhador – FAT. A empresa também foi condenada a pagar dano moral coletivo, no valor de R$ 35 mil, mas o Ministério Público do Trabalho já recorreu a fim de aumentar a indenização compensatória, considerando o poderio econômico da Brasil Brokers.

Muito bem. Só um reparo: ao invés de ir para o FAT, a multa deveria ser destinada a alguma entidade que realize relevante trabalho social no Pará, devidamente cadastrada e selecionada pelo MPT, com o que de fato poderia ser compensado o dano. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *