O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

Júri absolve causador de morte do feminicida

Uma tragédia envolvendo crime passional seguido de morte acidental do assassino chocou a sociedade parauara há seis anos e movimentou o Fórum Criminal de Belém do Pará ontem (8). Após um julgamento que se estendeu por cerca de quatro horas, os jurados do 3º Tribunal do Júri de Belém, presidido pela juíza Ângela Alice Tuma, absolveram Sidney Piedade da Rosa pela morte de seu amigo e vizinho Carlos Alberto da Silva Teixeira.

O próprio representante do Ministério Público do Estado, promotor de justiça Edson Augusto Souza, responsável pela acusação, entendeu que se tratou de um acidente e requereu a absolvição, no que foi atendido. A defesa do réu, promovida pelo advogado Edmar Baia, reforçou a tese de que a arma disparou quando o autor tentou desarmar a vítima, que acabara de cometer feminicídio, o que ficou constatado pelo laudo necroscópico e de balística do Centro de Perícias Científicas, que descreveu a trajetória do disparo.

Conforme declarações de testemunhas, na madrugada do dia 31/10/2016 três casais amigos e vizinhos estavam na porta de uma das residências confraternizando, no Conjunto Bela Manuela, Bairro do Tenoné, quando um deles, Carlos Alberto da Silva Teixeira, cobrou de sua esposa que largasse o telefone para dar atenção à conversa do grupo. Em seguida, tomou o celular e ela tentou reavê-lo, tendo o casal entrado na casa deles, brigando. O marido enciumado queria destravar o aparelho e as filhas começaram a gritar. Ensandecido, o homem pegou um revólver e passou a ameaçar a mulher, que correu para a casa do vizinho a fim de se proteger, tendo o marido feito o primeiro disparo. E, mesmo com a vítima já caída, efetuou mais um tiro.

O dono da casa e sua esposa, aterrorizados, chamaram a polícia e o atirador avisou que não fugiria; contudo, começou a movimentar a arma descontroladamente e o terceiro vizinho, com justo receio de que atingisse outras pessoas, tentou desarmá-lo, quando houve o disparo acidental. A vítima de feminicídio morreu na casa do vizinho e o assassino chegou a ser socorrido, mas não resistiu e morreu no dia seguinte.

Na sessão do júri, o réu alegou que, por orientação do seu advogado, permaneceria em silêncio e não responderia perguntas da magistrada e tampouco do promotor.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

  1. Ao que se percebe a decisão foi coerente com a dinâmica dos fatos.
    A estas horas o feminicida também já deve ter sido julgado pelo no nosso maior juiz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *