Área contígua ao centro histórico de Belém do Pará, Zona Especial do Patrimônio Histórico declarada por lei, o bairro do Reduto, cenário industrial da belle Époque, da Doca do Reduto no início do século XX, com suas canoas coloridas repletas…

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça fixou, sob o rito dos recursos repetitivos, a tese de que o servidor federal inativo, independentemente de prévio requerimento administrativo, tem direito à conversão em dinheiro da licença-prêmio não usufruída durante a…

O prefeito Edmilson Rodrigues cumpriu agenda institucional em Brasília, ao lado do secretário municipal de Gestão e Planejamento, Cláudio Puty. No Ministério da Economia, trataram das obras de saneamento básico no Canal do Mata Fome, no bairro do Tapanã, onde…

O leite materno contém propriedades importantes para o crescimento e desenvolvimento do bebê, fortalecendo a sua imunidade contra diversas doenças. Em 1992 a Aliança Mundial de Ação Pró-Amamentação criou a Semana Mundial de Aleitamento Materno, de 1 a 7 de…

Juízes moravam fora do Pará

São graves, gravíssimas as razões pelas quais, em decisão unânime – acompanhando o voto da relatora de Sindicância e do Procedimento de Investigação Preliminar, desembargadora Maria do Ceo Coutinho, que também é corregedora de Justiça das Comarcas do Interior –, o Pleno do Tribunal de Justiça do Pará, instaurou, ontem, procedimentos administrativos disciplinares contra os juízes Maria Aldecy Pissolati e Manoel Antonio Macedo, atuantes nas Comarcas de Marabá e Dom Eliseu, respectivamente. O juiz Manoel Macedo foi, inclusive, afastado das funções judicantes até o término do PAD.
Vejam só como o caso é cabeludo: o Sindicato dos Trabalhadores na Educação Pública do Pará (Sintepp) denunciou que a juíza Maria Aldecy mantém domicílio em Brasília, ao invés da Comarca onde deveria cumprir seu ofício. A magistrada afirmou que mantém domicílio em Brasília e em Marabá. Mas a corregedora-relatora enfatizou que não havia qualquer autorização para que ela mantivesse duplo domicílio, e que, quando requereu autorização para cursar mestrado em Brasília, o pedido foi negado pelo TJE-PA. Além disso, a juíza se ausentava da comarca nos finais de semana e feriados, havendo denúncias de comprometimento do expediente forense nas segundas e sextas-feiras, em afronta à Constituição Federal,  à Lei Orgânica da Magistratura Nacional (LOMAN), ao Conselho Nacional de Justiça e ao próprio TJE-PA, cujas normas determinam que o juiz “residirá na sede da Comarca, salvo autorização do órgão disciplinar a que estiver subordinado”. 

Já no que tange ao juiz Manoel Macedo, o PAD se originou na própria Corregedoria de Justiça do Interior, que se alarmou com a suspeição do magistrado, por motivo de foro íntimo, em nada menos que 974 processos que teriam como patrono o advogado Adriano Souza Magalhães. Considerando  a possibilidade de ofensa aos princípios da celeridade processual e da razoável duração do processo, determinou correição extraordinária na Comarca, detectando uma série de irregularidades: falta de assiduidade do magistrado, atrasos para o início de audiências agendadas, falta de gestão processual, com vários processos paralisados há anos, falta de urbanidade com advogados, descumprimento de cartas precatórias e de plantões, dentre outras. Também ficou constatado que, no período entre 2010 a 2015, só quatro sessões de júri popular foram realizadas na Comarca. E trabalho não falta: em Dom Eliseu, tramitam cerca de 6.400 processos. Pesa ainda contra o juiz a denúncia de que não reside na Comarca, e sim no município de Imperatriz, no Maranhão, a cerca de 145 Km de Dom Eliseu. A Corregedoria foi até a residência oficial do magistrado na Comarca e verificou que estava desocupada. 


Nos autos, o juiz se defendeu alegando que se hospedara em um hotel no município. Mas a corregedora concluiu que o magistrado incorreu em diversas faltas graves, abusando do direito de suspeição, sobrepondo vontade pessoal ao dever de ofício.

Os desembargadores Roberto Moura e Edinéa Tavares, são os relatores dos PADs contra os dois juízes, escolhidos por sorteio. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *