Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Juíza ordena implementação de UNACON em Marabá

Observando que é irracional o deslocamento de grande quantidade de pacientes em busca de tratamento, o Ministério Público do Pará ajuizou Ação Civil Pública contra o Estado do Pará e o Município de Marabá, para a criação de Unidade de Alta Complexidade em Oncologia, referência no tratamento de câncer, com sede na cidade, que é polo regional. A juíza da 3ª Vara Cível e Empresarial de Marabá acatou o pedido do MPPA, após o parecer da própria coordenadora de atenção oncológica da Secretaria de Saúde do Estado do Pará, que atestou a necessidade e viabilidade técnica da UNACON no Hospital Geraldo Veloso. Trata-se de decisão justa e urgente, posto que a maioria absoluta dos prefeitos despacha seus munícipes em ambulâncias para a capital, sem providenciar o amparo necessário a acompanhantes e familiares, além do que muitos pacientes acabam morrendo à espera de vaga nos hospitais de Belém. O câncer não espera.

Levando em consideração o impacto financeiro que a implementação da unidade causará, a juíza deu prazo de um ano para que o Estado promova os estudos de viabilidade e de impacto orçamentário e submeta-os às instâncias legais, inclusive, perante à União, como forma de angariar os recursos de sua responsabilidade; e mais um ano para que as obras, compras de insumos e contratação de pessoal sejam executadas.

Em 90 dias o Estado, dentro de suas competências materiais, repartidas pela Lei do SUS, tem que apresentar cronograma detalhando melhor as etapas que serão cumpridas para a implantação da UNICON, dentro do prazo de 18 meses. Em caso de descumprimento injustificado, a penalidade ao gestor público é a de crime de responsabilidade.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *