Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Juíza barra projeto do IPTU


Em mandado de segurança impetrado pela vereadora Marinor Brito (PSOL), a juíza Andréa Ferreira Bispo, respondendo pela 1ª Vara da Fazenda Pública de Belém, deferiu há pouco a liminar requerida e determinou que o presidente da Câmara Municipal de Belém, vereador Mauro Freitas (PSDC), observe o regimento interno antes de incluir na pauta de votação o projeto de lei 2.409/2017, que reajusta o IPTU em 40% para 2018. O plenário retirou o caráter de  urgência, mas ainda assim a matéria foi incluída na pauta de votação, sem debate e exame nas comissões técnicas. A magistrada considerou que houve prática de ato abusivo e violação ao devido processo legislativo, e estipulou multa de R$5 mil por dia de descumprimento.  O Ministério Público vai se manifestar. 

A juíza ponderou que os interesses diferenciados em conflito só podem ser contemplados por meio do amplo debate de seus representantes no Legislativo, e que sem essa discussão ampla e irrestrita não se pode dizer que uma lei é materialmente democrática, na medida em que ela cassa a palavra dos parlamentares e, consequentemente, a participação popular que ali deveria estar representada. “Uma lei aprovada desta forma não difere em grande medida de um ato antidemocrático”, pontuou a decisão. 

O projeto de Lei foi posto em regime de urgência porque os impostos obedecem ao princípio da anualidade e o direito tributário também se pauta pelo princípio da atualidade.
Acontece que houve um ano calendário inteiro no qual essa discussão poderia ser posta e debatida no Legislativo,  e agora a urgência não se justifica, pois não há um fato inesperado, fortuito ou de força maior, a ensejá-la, concluiu a magistrada. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *