Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Juiz bloqueia fundos e reforma hospital



O juiz federal do Trabalho Jônatas Andrade, que é santareno e atua em Marabá, onde é titular da 2ª Vara do Trabalho, bloqueou R$5 milhões de fundos específicos da Secretaria de Saúde, que estavam sem aplicação, e destinou o dinheiro à reforma do Hospital Municipal de Marabá e do Hospital Materno Infantil, que estavam em condições deploráveis. Em caráter emergencial, sob administração judicial, ele mesmo providenciou a aquisição de medicamentos, equipamentos e suprimentos, pagou salários que estavam atrasados desde novembro e está reformando os dois hospitais. As obras, que começaram logo depois do Natal, devem ficar prontas já no final deste mês de janeiro. 


A corajosa decisão – no bojo de ação civil pública movida pelo Ministério Público do Trabalho, com pedido de tutela de urgência -, assim como as medidas implementadas, não têm precedentes no Pará e o magistrado vem sendo abençoado publicamente por mães de pacientes, com manifestações de admiração e gratidão pelo ato, que consideram de bravura e competência e que salvará muitas vidas. 

A saúde é um grande problema que o prefeito Tião Miranda terá que enfrentar em Marabá. Só a folha é de R$8,5 milhões. Há muito a ser feito, a diligência é apenas paliativa e a solução permanente é proporcionar um bom ambiente de trabalho mediante planos de segurança e saúde laborais, o que deverá ser imposto via sentença. 

As obras no Hospital Municipal de Marabá e Hospital Materno Infantil – que incluem substituição de parte do telhado, rede elétrica, pintura geral e piso epox de alta resistência, recomendado para unidades hospitalares – são fiscalizadas diariamente, à noite, pelo próprio magistrado, que determinou, ainda, a elaboração e implementação de um programa de prevenção de riscos ambientais, outro de combate a incêndio, programa de saúde médico e ocupacional e controle de risco químico, entre outras orientações para melhorar a qualidade de saúde do trabalhador. 


Como se sabe, a maioria absoluta dos municípios considera que investir em saúde é obter ambulâncias, que se limitam a levar os doentes para as cidades pólo e assim provocam o desequilíbrio do sistema. Por conta disso, o juiz Jônatas Andrade ordenou, ainda, que os municípios vizinhos se abstenham de encaminhar ao Hospital Municipal de Marabá demanda não regulada ou não pactuada, sob pena de multa de R$50 mil por paciente. O milionário município de Parauapebas, cuja saúde é caótica, e Bom Jesus do Tocantins, descumpriram a decisão e já foram multados. 


O juiz fundamentou sua decisão, incomum na Justiça do Trabalho, no princípio constitucional da dignidade humana e no fato de que o ser humano e o trabalhador são figuras centrais da política nacional do meio-ambiente, envolvendo a integridade física e psíquica dos indivíduos, o que nenhum outro interesse pode sobrepujar. 


Tem toda razão o juiz Jônatas Andrade, que deve servir de exemplo. A vocação necessariamente é alimentada por uma paixão.
Ser juiz não deve se resumir ao expediente no forum. A lei como instrumento de limitação do poder é um avanço da cultura humana. Mas a tábua de valores de um povo não está apenas na lei e sim, sobretudo, no estofo moral dos aplicadores da lei, que devem cultivar a imparcialidade, a probidade, a isenção, a independência, a vocação, a responsabilidade, a moderação, a coragem e a humildade, dentre outras virtudes. Em todas as profissões deve haver humanismo, mas na magistratura este deve ser a estrela-guia. Zelar pela dignidade humana é a tarefa que melhor singulariza a vocação do magistrado. 



Por vez, o princípio da dignidade humana é um norte a ser seguido por todos, indistintamente. A Constituição Federal elevou o princípio da dignidade humana como valor fundante de todo o ordenamento jurídico, irrenunciável, imprescritível, inalienável, inviolável, efetivo, interdependente e complementar.


Nas fotos, pode ser observado um pouco do antes e o agora no Hospital Municipal de Marabá.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *