O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Judicialização exacerbada no Brasil

A que ponto chegou a judicialização no Brasil! O Supremo Tribunal Federal faz sessão extraordinária para se manifestar acerca da ordem de votação na Câmara dos deputados, tema eminentemente interno do Legislativo. Eis aí uma inconstitucionalidade gritante: o Judiciário invadindo prerrogativa e outro Poder, garantida por cláusula pétrea da Constituição Federal. 

Quando da votação da ADPF 378 (Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental), que disciplinou o rito do impeachment da presidente Dilma Rousseff, o STF decidiu quanto à forma de votação (secreta ou aberta) e ao tipo de candidatura (indicação pelo líder ou candidatura avulsa) dos membros da Comissão Especial na Câmara dos Deputados.
O próprio Supremo, na ocasião, lecionou que a aplicação subsidiária do Regimento Interno da Câmara dos Deputados e do Senado ao processamento e julgamento do impeachment não viola a reserva de lei especial imposta pelo art. 85, parágrafo único, da Constituição, desde que as normas regimentais sejam compatíveis com os preceitos legais e constitucionais pertinentes, limitando-se a disciplinar questões interna corporis.

E ficou estabelecido que o papel do Supremo Tribunal Federal no processo de impeachment é o de assegurar que ele transcorra de forma regular e legítima e em respeito às regras do jogo. Para tanto, definiu, com clareza, o rito aplicável, justamente de modo a evitar que cada incidente e etapa de sua concretização seja judicializado, o que atravanca o curso do julgamento e aumenta a instabilidade política, econômica e social no País.

Mais grave, ainda, é assistir, em rede nacional de TV, advogados dos partidos afirmando que Pernambuco e Bahia são Estados do Norte brasileiro. A ignorância é de doer. Pobre Brasil!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *