O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Judicialização das relações humanas

Vejam só a que ponto
chegou a judicialização das relações humanas. A Comissão de Seguridade Social e
Família da Câmara Federal aprovou o Projeto de Lei 267/11, da deputada Cida Borghetti (PP-PR), que prevê
punição para estudantes que desrespeitarem professores ou violarem regras
éticas e de comportamento de instituições de ensino.
O infrator ficará
sujeito a suspensão e, na hipótese de reincidência grave, será encaminhado à
autoridade judiciária competente. A proposta muda o Estatuto da Criança e do
Adolescente (Lei 8.069/90) para incluir o respeito aos códigos de ética e de
conduta das escolas como responsabilidade e dever do estudante.
O relator, deputado
Mandetta (DEM-MS), destacou que a violência contra professores do ensino médio
e do fundamental é uma das causas da falta de qualidade da educação brasileira:
Professores com medo de sofrer violência
ou represálias verbais e físicas, principalmente por parte de alunos, somado à
falta de punição administrativa e/ou judicial dos estudantes indisciplinados ou
violentos somente corroboram a existência de sérios problemas educacionais. É
fato que há uma crescente violência contra professores e diretores em sala de
aula, que não vem sendo coibida adequadamente pelas normas hoje em vigor.
Cremos que o sistema de proteção integral determinado pela Constituição Federal
às crianças e adolescentes também passa por imposição e cumprimento de deveres
”.
Depois da Lei
da Palmada e dessa aí, o que será que vem mais? Eu sou do tempo em que bastava
um olhar severo dos pais ou professores para todo mundo ficar fininho.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *