Quando todos apostavam em uma radicalização que causasse esgarçamento das relações empresariais na cúpula das indústrias instaladas no Pará, a diretoria da Federação das Indústrias do Estado do Pará, liderada por José Conrado Santos e José Maria Mendonça, deu uma…

Os botânicos Fúvio Oliveira e Rafael Gomes, doutorandos do Programa de Pós-graduação em Botânica Tropical do Museu Paraense Emílio Goeldi e Universidade Federal Rural da Amazônia, concorreram com 86 jovens cientistas do mundo inteiro e estão entre os 23 contemplados…

Na próxima terça-feira, dia 16, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, deverá incluir na pauta do plenário a apreciação do Processo nº 7/2022, encaminhado pelo Tribunal de Contas do Estado, tratando da prestação de contas do Governo do Pará…

Liderados pelo presidente da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp), promotor de justiça Manoel Murrieta, que é paraense, promotores, procuradores, juristas e convidados do Brasil inteiro irão reafirmar o compromisso institucional do Ministério Público e o seu papel…

Jornalistas na Academia Paraense de Letras

Na mais expressiva votação da Academia Paraense de Letras dos últimos tempos, Océlio de Morais foi eleito ontem (26) com 31 votos dos 33 acadêmicos votantes, um voto em branco e outro nulo, para a Cadeira nº 8, antes ocupada por Gengis Freire, falecido em 2019. Em menos de dez dias, é o segundo membro da Academia Paraense de Jornalismo a se sagrar imortal da APL, que tem, ainda, entre seus membros, Sebastião Godinho, Célio Simões, José Wilson Malheiros da Fonseca e Edson Franco. Na semana passada, foi a vez do jornalista, advogado e historiador Walbert Monteiro, que integra também o Instituto Histórico e Geográfico do Pará.

Membro efetivo da Academia Paraense de Letras Jurídicas, Océlio tem pós-doutorado em Direitos Humanos e Democracia pelo Ius Gentium Conimbridge da Faculdade de Direito de Coimbra (Portugal), Doutorado em Relações Sociais (Direito Previdenciário pela PUC, SP), Mestrado em Direito Constitucional pela UFPA, e também é juiz federal do Trabalho, do TRT 8ª Região, aprovado em primeiro lugar no concurso público de provas e títulos. É autor de doze livros individuais nos gêneros da literatura, das ciências jurídicas e do humanismo filosófico, além de diversas obras em parceria com importantes escritores brasileiros. 

Natural de Monte Alegre (PA), primeiro filho daquela cidade a se tornar imortal do centenário Silogeu das Letras paraense e, ainda, o primeiro presidente da Academia Brasileira de Direito da Seguridade Social, Océlio de Jesus de Morais foi o idealizador e fundador da ABDSS, com outros renomados  cientistas sociais brasileiros.

O novo imortal da APL considera a sua eleição “uma bênção especial de Deus à sua vida” e registrou sua “gratidão a todos os acadêmicos e acadêmicas pela confiança, manifestada pelos votos em meu nome”, pontuando que “integrar a APL era um objetivo especial e sempre presente de sua vida de escritor, poeta e cronista porque considera o ambiente ideal às reflexões acerca da cultura, da filosofia e do humanismo como forma de crescimento existencial, compartilhando com todos os imortais das letras os ideários da Academia”.

Océlio de Morais ingressou no jornalismo a partir da revisão do jornal, passando à repórter, editor, colunista e chefe de reportagem, chefiou a reportagem da TV Liberal e foi vencedor do prêmio nacional de jornalismo impresso “Henfil”, realizado pela Federação Nacional dos Jornalistas.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *