1

O governador do Amazonas, Wilson Miranda Lima, inaugurou ontem (26) a Estação de Tratamento de Esgoto Waldir Santos Brito, a maior da região Norte, na capital amazonense, batizada em homenagem póstuma  ao engenheiro civil e sanitarista paraense Waldir Santos Brito, que dedicou 40 anos ao planejamento, supervisão e construção de sistemas de abastecimento de água potável em mais de 42 municípios do Amazonas. Diretor-presidente da então Companhia de Saneamento do Amazonas – Cosama entre 1971 e 1980, ele planejou e coordenou a total transformação do sistema de abastecimento de águas de Manaus. A ETE é localizada às margens do rio Negro, no bairro do Educandos, zona sul de Manaus.  O ilustre parauara também foi responsável pela implantação de sistemas de abastecimento de água nos Estados de Sergipe, Piauí e Maranhão. A Estação de Esgoto do Amazonas é fruto do Programa Social e Ambiental de Manaus e do Interior – Prosamin, financiado pelo BID, do qual Waldir Brito participou desde 2003. Em 2011, ainda em vida, o engenheiro recebeu a Medalha do Mérito do Sistema Confea/Crea pela sua contribuição ao desenvolvimento tecnológico do país e à melhoria da qualidade de vida da população. Confirmando o adágio popular de que “santo de casa não faz milagre” e a “prata da casa brilha longe”, muita gente não sabe da importância desse paraense, falecido há pouco tempo, e que era tio da jornalista e professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Cultura e Amazônia e da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal do Pará Rosaly de Seixas Brito.

Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Milton Nobre lança “Tratando direito de Direitos”

Anterior

Jornalistas na Academia Paraense de Letras

Próximo

Vocë pode gostar

1 Comentário

  1. O comunistinha do Dino, puxa-saco do PT estava?

    Bom, o Brasil piorou muito. Com o vigarismo da religião cujo nome é Petismo e do PCdoB. Favoreceu bastante os bancos.

    Mas há algo mais. Eis:

    Necessitamos muito de bons hospitais. E escolas boas para os curumins.

    Precisamos de alta-cultura. Alta literatura; Kafka, Drummond, Dostoievski, Machado de Assis, Aluísio Azevedo do Maranhão. De arte autônoma. E educação verdadeira nas escolas dos pequenos. O que não houve.

    O Brasil vive consequência de nosso passado político bem atual (2 décadas).
    Fome, falta de moraria, atraso, breguices, escolas ruins, falta de hospitais: concreto…
    O resto são frasinhas® poderosas:

    Eis aí a pura e profunda realidade sociológica e filosófica:
    A “Copa das Copas®” do PT® em vez de se construir hospitais, construiu-se prédios inúteis! A Copa das Copas®, do PT© e de lula©.

    Nada se fez em 13 anos para esse mal brasileiro horroroso. Apenas propagandas e propagandas e publicidade. Frasinhas.

    Qual o poder constante da propaganda ininterrupta do PT®?
    Apenas um frio slogan, o LUGAR DE FALA do Petismo® (tal qual “Danoninho© Vale por Um Bifinho”/Ou: “Skol®: a Cerveja que desce Redondo”/Ainda: “Fiat® Touro: Brutalmente Lindo”). Apenas signos dessubstancializados. Sem corporeidade.

    Aqui a superficialidade do PETISMO®:
    Signos descorporificados. Sem substância. Não tem nada a ver com um projeto de Nação. Propaganda:
    Nem tudo que é legal é honesto. O PT® nos induz ao engodo com facilidade.

    O PT e o PCdoB é brega, cafona, barango e o Kitsch político. Além de ser truculento e falso. Utilizar de tudo quanto é artimanha publicitária para enganar as pessoas constantemente, eis aí o jeitão petista de ser (não é durante eleição não. É sempre o ano todo!).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *