Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Jogo da verdade

Os vereadores Marquinho (PT) e Carlos Augusto Barbosa (DEM), querem convidar o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, para uma sessão especial em que pretendem desmascarar a má fé da Prefeitura de Belém quando o assunto são as condições da saúde pública no município. O titular da Sespa também será chamado a participar do evento.
A sessão promete ser uma espécie de “jogo da verdade”. Fulmina Carlos Augusto: “Será um momento para discutir a repactuação da saúde em Belém e desmascarar o prefeito Duciomar Costa (PTB) e o secretário municipal de Saúde, Sérgio Pimentel, que insistem em dizer que os pacientes vindos do interior tomam o leito de quem mora em Belém, um discurso falacioso, não verdadeiro. Se a demanda do Pronto Socorro Municipal da 14 de Março é três vezes maior do o de o hospital de Ananindeua, que acaba por atender menos gente, por exemplo, o Sistema Único de Saúde (SUS) remaneja para Belém o recurso que ficou superavitado em Ananindeua. Com certeza o ministro irá falar sobre isso e será uma oportunidade válida para os gestores municipais e estaduais abrirem de fato a caixa preta da saúde pública. Não é essa maravilha que eles falam, o que mais vemos são os jornais mostrando pessoas morrendo à porta de hospitais por falta de atendimento. Só em 2011, aprovamos R$ 500 milhões para a saúde dentro do orçamento de Belém, queremos saber o que está sendo feito desses valores”.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *