0

As pessoas andam com os nervos à flor da pele e à beira de um ataque de nervos. Muitas tragédias têm sido causadas pela falta de temperança, paciência e serenidade, principalmente no trânsito. Pior é quando o causador é agente de uma Força de Segurança Pública, que deveria proteger cidadãos, e mais grave ainda quando ocupante de posto no oficialato e função que prevê análise e avaliação da conduta de outros servidores. Nesta terça-feira, na Travessa Quintino Bocaiúva, em Belém, em frente ao estacionamento das tradicionais Escola Peteleco, de ensino infantil, e CEMP – Centro de Estudos Montessorianos, de ensino fundamental, onde transitam muitas crianças pequenas e pessoas idosas, uma mulher sacou arma de fogo e percorreu a rua, chegando a bater no vidro de alguns carros, para obrigar o deslocamento dos veículos e assim liberar o seu, que estava estacionado.

A cena foi filmada e fotografada por pais e mães que tinham ido buscar seus filhos nas duas escolas e que ficaram apavorados. A Polícia Civil, comunicada dos fatos, identificou a pessoa: trata-se da Major QOPM Cristiane Oliveira de Carvalho, da Corregedoria da Polícia Militar do Pará.

O promotor de justiça militar Armando Brasil já tomou conhecimento da conduta explicitada no vídeo e declarou, em entrevista exclusiva ao Portal Uruá-Tapera, que vai determinar a instauração de IPM – Inquérito Policial Militar destinado a fim de apurar os fatos e responsabilidades e o imediato afastamento da Major de suas funções na Corregedoria da PMPA. Mães e pais que se sentiram intimidados e ameaçados com suas crianças pela militar estão determinados a registrar boletins de ocorrência policial.

Os museus no poder e o poder dos museus

Anterior

Belém já tem Estatuto de Igualdade Racial

Próximo

Vocë pode gostar

Mais de Notícias

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *