1

A pintura do edifício sede da Companhia Docas do Pará, tombado há mais de vinte anos pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), pelo DPHAC – Departamento de Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural da Secult, e pela Fumbel – Fundação Cultural do Município de Belém, por integrar o Conjunto Arquitetônico e Paisagístico do Porto de Belém, foi embargada pelo Iphan. O órgão determinou que volte a ser branca a cor do prédio, respeitando a concepção original.

Localizado na área portuária, em frente aos galpões centenários da orla, o imponente e belo casarão fica rodeado de casario colonial com azulejos portugueses, próximo à Fortaleza de São Pedro Nolasco, que é um sítio arqueológico do berço de Belém; ao Reservatório Elevado em Estrutura Metálica e ao Monumento a Pedro Teixeira, entre outros bens públicos situados no bairro do Reduto.

No centro histórico de Belém e seu entorno há 1.700 imóveis de importante preservação, mas cerca de duzentos estão em situação de risco por terem sido abandonados pelos donos. Um dos casos é o localizado na Av. Assis de Vasconcelos, bem perto da CDP, que está há anos com a fachada escorada por uma estrutura de ferro após o desabamento do teto e da estrutura interna em 2013. A área foi tomada por mato e entulho, além de virar esconderijo para usuários de drogas e assaltantes.

A Cia. Docas do Pará é uma sociedade de economia mista e administra os portos federais no Pará. Sua origem remonta à Port of Pará Co., de capital privado, que começou a funcionar a partir de 1906. O projeto de construção do porto de Belém foi elaborado no começo de 1897, prevendo novas instalações de atracação e armazenagem em substituição às precárias docas do Ver-o-Peso. O primeiro trecho de cais, com 120 metros, e um armazém para carga geral, com dois mil metros quadrados, foram inaugurados em 2 de outubro de 1909. Pelo Decreto-Lei nº 2.142, de 17 de abril de 1940, a União assumiu a direção do Porto de Belém, criando as administrações autônomas: Serviço de Navegação da Amazônia e a Administração do Porto do Pará (SNAPP), extinta via Decreto-Lei nº 155, de 10 de fevereiro de 1967, dando lugar à Empresa de Navegação da Amazônia S.A. (Enasa), também já extinta, e à Companhia Docas do Pará (CDP).

Abaeté será pioneira no banco móvel

Anterior

SOS Praia de Ponta de Pedras

Próximo

Vocë pode gostar

Mais de Notícias

1 Comentário

  1. Não posso questionar o mérito desta decisão por não ter uma base de conhecimento dentro deste contexto, no entanto, a foto que mostra o edifício sede na cor rosa, deixa uma impressão muito bonita, pelo menos do ponto de vista visual.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *