Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Iphan embargou pintura da CDP

A pintura do edifício sede da Companhia Docas do Pará, tombado há mais de vinte anos pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), pelo DPHAC – Departamento de Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural da Secult, e pela Fumbel – Fundação Cultural do Município de Belém, por integrar o Conjunto Arquitetônico e Paisagístico do Porto de Belém, foi embargada pelo Iphan. O órgão determinou que volte a ser branca a cor do prédio, respeitando a concepção original.

Localizado na área portuária, em frente aos galpões centenários da orla, o imponente e belo casarão fica rodeado de casario colonial com azulejos portugueses, próximo à Fortaleza de São Pedro Nolasco, que é um sítio arqueológico do berço de Belém; ao Reservatório Elevado em Estrutura Metálica e ao Monumento a Pedro Teixeira, entre outros bens públicos situados no bairro do Reduto.

No centro histórico de Belém e seu entorno há 1.700 imóveis de importante preservação, mas cerca de duzentos estão em situação de risco por terem sido abandonados pelos donos. Um dos casos é o localizado na Av. Assis de Vasconcelos, bem perto da CDP, que está há anos com a fachada escorada por uma estrutura de ferro após o desabamento do teto e da estrutura interna em 2013. A área foi tomada por mato e entulho, além de virar esconderijo para usuários de drogas e assaltantes.

A Cia. Docas do Pará é uma sociedade de economia mista e administra os portos federais no Pará. Sua origem remonta à Port of Pará Co., de capital privado, que começou a funcionar a partir de 1906. O projeto de construção do porto de Belém foi elaborado no começo de 1897, prevendo novas instalações de atracação e armazenagem em substituição às precárias docas do Ver-o-Peso. O primeiro trecho de cais, com 120 metros, e um armazém para carga geral, com dois mil metros quadrados, foram inaugurados em 2 de outubro de 1909. Pelo Decreto-Lei nº 2.142, de 17 de abril de 1940, a União assumiu a direção do Porto de Belém, criando as administrações autônomas: Serviço de Navegação da Amazônia e a Administração do Porto do Pará (SNAPP), extinta via Decreto-Lei nº 155, de 10 de fevereiro de 1967, dando lugar à Empresa de Navegação da Amazônia S.A. (Enasa), também já extinta, e à Companhia Docas do Pará (CDP).

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

  1. Não posso questionar o mérito desta decisão por não ter uma base de conhecimento dentro deste contexto, no entanto, a foto que mostra o edifício sede na cor rosa, deixa uma impressão muito bonita, pelo menos do ponto de vista visual.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *