0

Hoje (2) de manhã acharam uma tartaruga marinha morta na praia do Atalaia, em Salinópolis (PA) e ela foi levada no caminhão do lixo até a Ponta da Sofia para ser examinada pela bióloga do Ideflor-bio, órgão ambiental responsável pela administração da APA – Área de Proteção Ambiental MoNA – Monumento Natural do Atalaia. Mas os trabalhadores foram impedidos de colocar a tartaruga na areia e a equipe do Ideflor-bio de fazer seu serviço. Um homem apareceu lá filmando tudo e todos e chamando de criminosos ao pessoal da limpeza e até à bióloga. Disse que iria acionar a polícia e afirmou que estavam forjando uma cena.

Pois bem. A polícia chegou lá, verificou que nada havia de irregular e o sujeito se trancou em sua caminhonete.

Acontece que o procedimento é que se encontrarem alguma tartaruga morta na praia do Farol Velho, deve ser enterrada na Ponta do Espadarte. E se for na praia do Atalaia, deve ser levada à Ponta da Sofia.

O bafafá acabou lançando luzes sobre a figura que fez o escarcéu na praia. Trata-se, conforme informações de pescadores locais e remadores esportivos, de alguém que invadiu a APA e, em pleno berçário de aves e tartarugas em extinção, local onde a lei proíbe construções, ergueu sua morada, com direito a um belo alpendre com vista maravilhosa do mar, janelões panorâmicos em blindex, construiu fossa, instalou postes de energia elétrica e ainda reclama que o poder público não lhe dá apoio. Se fosse um pobre pescador já estaria preso e o barraco derrubado.

O que está faltando para o Ideflor-bio, Semas, Serviço de Patrimônio da União, Ministério Público estadual e federal tomarem as devidas e urgentes providências que o caso requer, antes que a especulação imobiliária cause mais danos?

Assistam aos vídeos.

Alenquer nas obras de Benedicto Monteiro

Anterior

Disputa renhida na APL não teve vencedor

Próximo

Vocë pode gostar

Mais de Notícias

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *